sexta-feira, 15 de abril de 2011

TEMPO PRESENTE

TEMPO PRESENTE
                    Adélia Victória (São Paulo-SP)
Discutir o presente é falar de utopia!
Ele é o simples bocal de acanhada abertura
que a matéria do Tempo, em veloz travessia,
do Futuro ao passado esfaimada perfura.

O lampejo fugaz de uma luz fugidia
é esse vulto que passa e passando fulgura
ao tornar-se um “já fui” na roldana macia
que impulsiona ao Passado a existência futura.

Ao dizeres “eu sou” já não és: terás sido!
O que foste partiu nos embalos da voz,
mero “z” de um corisco entre o antes e o após...

Na ampulheta é o gargalo, o funil reduzido
que as areias do Instante, ansioso a escorrer,
atravessam fulgindo e... deixando de ser!...

(Jornal FANAL, n° 564, Casa do Poeta “Lampião de Gás” de São Paulo, página 01)

Nenhum comentário: