segunda-feira, 22 de maio de 2017

VERSOS DE FILEMON

VERSOS DE FILEMON MARTINS

Chegas tranquila, calma e de mansinho
 pondo flores em todo o meu caminho,
 vens perfumando o meu viver tristonho.
 Que seja sempre assim, poesia amada,
 amiga e companheira de jornada
 buscando a paz nas regiões do sonho!


domingo, 21 de maio de 2017

VERSOS DE FILEMON MARTINS

                    VERSOS DE FILEMON MARTINS

-         Ó vós que andais sozinhos pelo mundo
achando que o passado é charco imundo,
praticai sempre o bem seja a quem for...
Porque no coração – templo sagrado,
o sonho há de voltar  – iluminado -
trazendo sempre uma lição de Amor!



quinta-feira, 18 de maio de 2017

AINDA TROVAS SOBRE O LIVRO

AINDA TROVAS SOBRE O LIVRO

Enquanto o homem tiver
um livro aberto na mão,
esteja onde estiver,
não vai sentir solidão.
     JOÃO MANUEL SIMÕES

Sem coroa e sem espada,
sem reger, sem fazer lei,
no mundo da criançada
nosso Lobato foi rei!
     ISABEL CHOULBY SANTOS

Se queres ter um amigo,
não o abandones na estante,
que o livro estará contigo
cada dia, cada instante!
     FILEMON MARTINS   

(COLUNA O RADAR, DE MARIA THEREZA CAVALHEIRO)

NOME E RG

NOME E RG


O Departamento de Créditos e Cobranças da Folha era gerenciado pelo Sr. João Arci Netto. Financeiramente a empresa crescia assombrosamente, comandada pelos proprietários Sr. Carlos Caldeira Filho e também pelo empresário Sr. Otávio Frias de Oliveira. O setor de cobranças funcionava num andar do prédio na Al. Barão de Limeira, 425 e havia muita movimentação de pessoal, clientes e funcionários de outros setores, de tal maneira que se tornou necessário o controle das pessoas que entravam naquele local, já que era comum observar dinheiro e cheques sobre a mesa junto com faturas, prestação de contas de cobradores, que após conferência e baixa, eram depositados em banco. Assim, o gerente determinou que um Office boy devidamente treinado ficaria na porta de entrada, onde havia um guichê, com um livro - capa preta anotando algumas informações: com quem o Sr. quer falar, seu nome e RG. Sem estas informações, o cidadão simplesmente não entraria no salão. O rapaz, então, vestiu a camisa e desempenhava sua função com brilhantismo. Passado algum tempo, um dos donos da empresa, o Sr. Carlos Caldeira Filho resolveu visitar o Departamento e conversar com o gerente. Ao chegar na entrada, lá estava o rapaz, (que não tinha obrigação de conhecer o dono e muito menos facilitar sua entrada) a lhe indagar com quem queria falar, nome e RG. Carlos Caldeira achou interessante o sistema e amistosamente ficou conversando com o rapaz, que lhe explicava ter recebido ordens do gerente e ali só entraria quem respondesse suas perguntas. Enquanto isso, de sua sala estava o gerente se descabelando e preocupado com o que poderia estar acontecendo entre o dono da empresa e o Office boy. Pensou em se levantar e ir até lá, mas a esta altura o Sr. Caldeira já entrava em sua sala tecendo elogios ao sistema e ao desempenho exemplar do Office boy. Mais tarde o rapaz explicou ter informado ao visitante que, sem aquelas informações, ele não entraria no Departamento de Cobrança, momento em que tomou conhecimento que se tratava de um dos donos da Empresa Folha da Manhã S/A. Ainda não havia tecnologia, mas ao contrário do Departamento de Cobranças do INSS, funcionava e muito bem.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

UMA LIÇÃO DO TAVARES

UMA LIÇÃO DO TAVARES


Quando cheguei para trabalhar naquele dia no prédio da Al. Barão de Limeira, 425 já havia algumas pessoas na fila do elevador. Depois chegaram outros funcionários, inclusive o colunista social Tavares de Miranda. De repente, foi entrando um rapaz e saracoteando se postou à frente de todos nós. Na época, o prédio da Folha tinha dois elevadores. Tavares de Miranda se encaminhou até o rapaz e perguntou aonde ele ia e o moço respondeu: no 6º andar. Tavares, então, o pegou pelo braço e veio passando por nós e dizendo ao rapaz: veja, todas estas pessoas estão aguardando o elevador e como você chegou agora, o seu lugar é aqui e o colocou no final da fila. E lentamente voltou para o seu lugar na fila. Não sei se o rapaz aprendeu a lição, mas a verdade é que o saudoso Tavares de Miranda não deixava passar em branco nada. É uma questão de ordem... 

domingo, 14 de maio de 2017

À MINHA MÃE

À MINHA MÃE
(Homenagem às mães que já partiram)

Quanta falta me faz
o teu colo, mamãe.
Às vezes me pego sonhando
e confabulando sobre assuntos diversos.
Um relicário de saudade!

Quantas vezes ouvi tua voz severa e dura,
mas cheia de ternura e de carinho
ao falar comigo, quando ia visitar-te.
E quantas vezes choraste em silêncio
com a ausência de teus filhos?

Como pode a dor pesar tanto no meu peito?
A saudade toma conta do meu coração.
Meu sonho bonito e risonho foi desfeito.
Se me viste nascer, crescer e viver,
por que partiste sem dizer adeus?

Meu coração soluça de saudade,
que tortura é sofrer e chorar?
A dor de viver na orfandade
nunca vai acabar.

Escrevo estes versos chorando,
- por que não te vi partir?
Lágrimas vou derramando
mergulhado no desgosto e na saudade
de nunca mais te ver.

Mas eu te bendigo, mãe, onde estiveres
com todo amor e minha inspiração,
meus versos são teus, se quiseres,
porque, de joelhos, aqui deponho
meu coração cheio de luz.













quinta-feira, 11 de maio de 2017

MÃE

MÃE
Filemon F. Martins

Anjo dos céus sobre a terra
é a mãe, que jamais erra,
nessa missão sem igual
de pôr na mente menina
um pouco de luz divina
que guia e combate o mal.

Quem tem mãe, na realidade,
tem grande felicidade,
pois seu amor é profundo.
Amor singular, bendito,
que jamais será descrito
pelos poetas do mundo.

Estrela d´Alva brilhando,
com sua luz nos guiando
pelos caminhos do bem;
mãe – flor de afeto, querida,
que filho algum, nesta vida,
outra mais bela não tem.

Mãe, teu amor é sagrado,
é sublime, é acendrado,
pois nasce do coração,
qual uma flor perfumosa
que enfeita e é tão formosa
na mais alegre estação.

Eis a nossa gratidão,
do íntimo do coração
pelo que fazes no lar:
que sejas abençoada
nessa missão consagrada
de viver para embalar!