segunda-feira, 19 de novembro de 2018

RESGATANDO AURORAS




SONETO ANTOLÓGICO DE PEDRO ORNELLAS

RESGATANDO AURORAS

Meu verso é o eco de um fugaz anseio
que brotou cedo e cedo foi desfeito...
Grito sem som no abismo do meu peito,
promessa vã de um bem que nunca veio.

Meu verso, embora de pesar tão cheio,
por outro lado é gratidão, é preito
por esse dom, que sempre arruma um jeito
de suavizar o que é medonho e feio.

Na direção de um norte imaginário
meu verso, inverso à rigidez das horas,
à risca risca o próprio itinerário...

Já não se prende ao jugo das demoras
e, avesso ao senso, e à lucidez contrário,
vai pela noite resgatando auroras!

(DO LIVRO RESGATANDO AURORAS)

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

COISAS PARA NÃO ESQUECER


COISAS PARA NÃO ESQUECER, CONFORME O ALMANAQUE DO PENSAMENTO, 1958 E CONSTANTE EM MEU LIVRO FAGULHAS, PÁGINA 60:
01.    O VALOR DO TEMPO;
02.          A VITÓRIA DA PERSEVERANÇA;
03.          O PRAZER DO TRABALHO;
04.          A NOBREZA DA SIMPLICIDADE;
05.          O MÉRITO DO CARÁTER;
06.          O PODER DA BONDADE;
07.          A INFLUÊNCIA DO EXEMPLO;
08.          A CONSCIÊNCIA DO DEVER;
09.          A SABEDORIA DA PREVIDÊNCIA;
10.   A VIRTUDE DA PACIÊNCIA;
11.    O DESENVOLVIMENTO DO TALENTO;
12.   A ALEGRIA DE CRIAR.

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

QUEM FOI JOSÉ BRITTO BARROS?


QUEM FOI JOSÉ BRITTO BARROS?

                                                       


                JOSÉ BRITTO BARROS, maranhense de São Bento, nasceu a 15/07/1930. Filho de Jaime Dantas Bacelar de Barros e Joana de Deus Britto Barros. Iniciou seus estudos em sua terra natal, deslocando-se para outros centros, onde também estudou.
                Com 14 anos de idade, foi para a Escola Técnica de São Luiz, no Maranhão, seguindo anos mais tarde, para o Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, no Recife, onde se formou em Teologia, com 23 anos.
                Em 31 de outubro de 1954, JOSÉ BRITTO BARROS foi ordenado Pastor Batista, na Primeira Igreja Batista de Fortaleza, no Ceará. Casou-se com Altamira Barros, em 1961, com quem teve os filhos Suely e Jadiel.
                Em 1966, na Igreja Batista de Vila Mariana, em São Paulo, foi Orador Oficial da Convenção Batista Brasileira. Quando fazia Palestras e Conferências Religiosas em minha cidade, Ipupiara, Bahia, certa ocasião, numa dessas noites, encontrei um cidadão, que se dizia ateu convicto, encostado ao pé da parede, em silêncio e atento, ouvindo o famoso pregador. Quis saber o que fazia ali aquele meu amigo, se afirmava ser ateu. Ele, então, me respondeu: “Ouça, esse conferencista não é repetitivo, ele sabe o que diz. Vale a pena ouvi-lo”. De fato, JOSÉ BRITTO BARROS é considerado um dos gênios da Oratória Evangélica Nacional.
                Pastoreou Igrejas nos Estados do Ceará, Amazonas, Piauí e Bahia. Foi missionário da Junta de Missões Nacionais, da Convenção Batista Brasileira, em Ibotirama, na Bahia, onde atuou como Professor do Seminário do Sertão. Aposentado em 1983, mudou-se para João Pessoa, na Paraíba, onde criou a CRUZADA ALGO MARAVILHOSO que já fez o seu Jubileu de Prata e recebe convites para proferir palestras e conferências religiosas para crianças, adolescentes, jovens, adultos e os da Melhor Idade.
                Escritor, Ensaísta, Literato, Pesquisador, Cronista, Educador, Conferencista e Poeta. Escreveu, entre outros, “MEMÓRIAS DO NAZARENO”, “CRIANÇADA, VAMOS RECITAR”, “SERMÕES EM DESTAQUE”, “POEMAS PARA O SEU NATAL”, “MÃE DOCE MÃE IMORTAL”, “CARTA ABERTA AOS PAIS” (MEDITAÇÕES-2005) e “FAVOS DE MEL”, uma coleção de livros que em dezembro de 2006 alcançou o nº 05.
                Acabo de receber do Pastor, Poeta e Professor JOSÉ BRITTO BARROS, “REMINISCÊNCIAS PASTORAIS”, livro que traz lembranças da Infância em São Bento dos Peris, (MA) da mocidade, da vida adulta e outras lembranças marcantes da Jornada Ministerial por onde passou. Por último, “SÃO BENTO DOS PERIS, MINHA TERRA DE AMOR”, editado em 2010, evocando com ternura e saudade sua terra natal, seus pais, amigos e familiares. Faz justa homenagem ao falar das professoras e professores até chegar ao SEMINÁRIO TEOLÓGICO BATISTA DO NORTE DO BRASIL, no Recife. Enfim, um livro rico com fotos históricas e conteúdo comovente.
                Em “MEMÓRIAS DO NAZARENO” (livro que o autor deste texto possui do ilustre poeta maranhense) escreveu versos admiráveis, harmônicos e inspirados, narrando a trajetória do Nazareno, à luz dos Evangelhos. Quem o conhece, sabe que, embora o luminoso poeta do Maranhão, hoje morador de João Pessoa, na Paraíba, nunca tenha almejado fama e glória em sua carreira, se residisse no eixo Rio-São Paulo, certamente seria cultuado pela mídia, tanto evangélica quanto secular.
                Erodice Queiroz, apresentando o livro “MEMÓRIAS DO NAZARENO”, assim se expressou: “A enormidade da obra sobre um só assunto causou-me perplexidade. Quando, porém, passei a manuseá-la senti-me dentro de um oceano, com amplidão encantadora em todas as direções. Mergulhar, não atingiria o fundo; nadar, não alcançaria a margem; fiquei então circunscrito ao encantamento e à estesia. O coração sente, mas a boca não o diz; a alma vibra, mas os lábios não conseguem glorificar o que vai pela região da admiração e do maravilhoso”.
                Mais adiante, afirma: “Além do Prelúdio e Poslúdio em decassílabo o poema se compõe de LX cantos alexandrinos, em torno de Cristo, desde a promessa até à sua segunda vinda em majestade e glória”.
                No histórico (página 11), o próprio JOSÉ BRITTO BARROS informa que o livro foi iniciado no Recife (Pernambuco), continuado em Camocim e Fortaleza (Ceará), tendo sido concluído em Manaus (Amazonas), escrito por um maranhense, a obra saiu do Norte e Nordeste para o Brasil inteiro.
                Quem não se comove ao ler: “Aceita o meu rimar, são teus meus cantos,/os versos declamados mesmo em prantos/escritos para ti com devoção,/são vibrações desta alma agradecida,/por ter em ti a exuberante vida/ao sol da tua Eterna Redenção!”
                E ainda: “Pelas praias do mar da doce Galileia/em dia ensolarado e cheio de esplendor,/o Messias de Deus vem fazer sua estreia/pregando a Salvação a todo pecador... E em toda aquela praia a mensagem se ouvia/e a própria natureza, exultante, sorria!/O sol resplandecente, em profusões de luz/fazia refulgir o rosto de Jesus!”
                Descreve em palavras e em cores vivas as cenas narradas nos Evangelhos e termina, suplicando, no Poslúdio: “Aceita, meu Jesus, os cantos findos,/e neles põe os teus fulgores lindos,/para que o mundo os possa receber!/Dá vida aos versos toscos, mal rimados,/e faze-os ser, aos homens perturbados,/um meio simples de te conhecer!”
                E por fim, na última estrofe: “Consente, meu Senhor, que te dedique,/e com teu nome este meu canto fique/para atingir o escopo que almejei!/Ó Cristo, meu cantar só te enaltece/e este poema findo com uma prece:/Sê tu louvado em tudo que rimei!”
                É citado no DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE ESCRITORES BRASILEIROS CONTEMPORÂNEOS, de Adrião Neto. É mencionado no livro MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO, de Mário Ribeiro Martins.
                Assim é a poesia de JOSÉ BRITTO BARROS: harmoniosa, edificante, sublime, pura e verdadeira. Oxalá, muitos tenham a felicidade de ler esta obra de inspiração fascinante, que tanto bem faz a alma e engrandece o espírito. 
                Pastor José Britto Barros silenciou no dia 30/10/2018, em João Pessoa, Paraíba, onde residiu nestes últimos anos.




segunda-feira, 29 de outubro de 2018

NOVO RUMO


NOVO RUMO

Vitória de Bolsonaro consumada. Agora é preciso que a oposição entenda que a alternância de poder é salutar para o Brasil. A permanência de um partido ou de um grupo no poder traz consequências desastrosas para o País, como se viu nestes últimos anos, quando a roubalheira imperou em todos os cantos do Brasil. No partido, quem não roubou foi conivente com as falcatruas. O ser humano quando alçado a um cargo mais elevado, se não tiver caráter, acaba pensando ser o dono da coisa pública, do dinheiro do povo e faz o que lhe dá na telha. Foi o que se constatou em outras administrações, especialmente na administração petista. Já tinha passado da hora da mudança. Lembro-me de um caso que ocorreu no Tocantins. O governador Siqueira Campos, ao escolher o seu secretariado, levou gente de São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e ao ser questionado sobre tal escolha, respondeu: quero pessoas com ideias novas. Se escolhesse daqui, só teria pessoas bitoladas, com as mesmas ideias e foi assim que o Tocantins e sua capital Palmas se desligou de Goiás e está se desenvolvendo. Quanto ao Brasil, estamos no mesmo avião. Vamos torcer para que o piloto faça um voo tranquilo e possa nos levar ao destino do trabalho, educação, com saúde, segurança e desenvolvimento.

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

TROVAS



Trovas para o Dia do Poeta
20 de outubro de 2018
Olivaldo Júnior

Todo mundo acelerado,
com a mente tão confusa,
e o poeta ali sentado,
à mercê de sua musa...

Cada estrela matutina,
decadente, sem fulgor,
ao poeta, é vã menina
que sucumbe à própria dor...

O poeta está doente,
sem vontade de viver...
Mas um verso, de repente,
faz o pobre renascer!...

Renascido da ilusão,
o poeta se constrói;
das estrofes, tira o pão
cujo tempo não corrói...

Pelas letras - uma a uma,
o poeta forma o verso;
logo, logo, após a bruma,
vê brotar seu universo.

Sou poeta, meu amor,
faço em versos cada instante;
como fosse beija-flor,
beijo a flor do amor faltante.

Ao morrer, serei poeta
bem maior que fui em vida,
dando à rima luz completa,
na obscura despedida.

Mogi Guaçu, São Paulo, 16 de outubro de 2018.
(FONTE AVBPA)




domingo, 21 de outubro de 2018

APRENDIZ



APRENDIZ
VANDA FAGUNDES QUEIROZ

Andei em busca de sabedoria
e devassei compêndios e alfarrábios,
leis e doutrinas plenas de ressábios,
sempre a sondar o que desconhecia.

Tornou-se o intento inútil, todavia.
Ao comprovar o verbo em outros lábios,
senti que antigos ou modernos sábios
jamais disseram tudo o que eu queria.

Onde acharei a ciência que procuro?
Nos tempos idos... no hoje... no futuro...
deverá estar a chave do saber.

Talvez a vida seja o ensinamento,
mas... se viver é sempre experimento,
então morremos antes de aprender!


terça-feira, 16 de outubro de 2018

UMA HISTORINHA VERÍDICA




UMA HISTORINHA VERÍDICA

Recém-chegado a São Paulo e já trabalhando na FOLHA, nosso amigo Paulo, torcedor do Timão, o que mais queria era assistir um jogo de futebol do seu time no Estádio do Morumbi. Noite de jogo saiu quase correndo do trabalho para realizar seu sonho. Chegou ao Largo do Paissandu onde presenciou um burburinho danado, algumas kombis saíam para o Jardim Brasil e outras, em dias de jogo, para o Morumbi. O sujeito gritava com insistência ¨Jardim Brasil mais um¨ e outro também gritava ¨Morumbi mais um¨. Apressado, o Paulo entrou na primeira kombi que achou e partiu noite adentro pensando que iria para o Morumbi. Estranhou aquelas quebradas e depois de algum tempo, perguntou: essa Kombi vai até aonde? O passageiro do lado lhe respondeu: já está chegando no Jardim Brasil. Nosso Paulo ficou desolado e disse, como faço para voltar.
Naquela noite, não deu para ver o Timão jogar.