terça-feira, 31 de dezembro de 2013

AINDA O NATAL

AINDA O NATAL
Filemon F. Martins

Da bela Nazaré partiram com destino
a histórica Belém. Iriam se alistar,
que o decreto exigia a todo peregrino,
por isso o povo não parava de chegar.

Aproximava a noite. Um vento muito fino
soprava por Belém lotada e sem lugar.
Na estrebaria, porém, nasceu o Deus Menino
para que o mundo vil pudesse se salvar.

Pouco tempo passou e após trinta e três anos
o povo enfurecido e envolto em seus enganos
crucificou Jesus – tamanha ingratidão!

E pregado na cruz, pior cena do mundo,
o povo foi ingrato, insano, louco e imundo,
- não aceitou a paz divina do Perdão!







domingo, 29 de dezembro de 2013

DESEJO DE NATAL

DESEJO DE NATAL
Filemon F. Martins

Se eu pudesse compor, eu comporia
um poema de paz e de ventura,
cujas palavras cheias de ternura
fossem do amor a eterna melodia.

Se eu soubesse cantar, eu cantaria
nesta Noite de Luz e de doçura,
e toda a Terra venturosa e pura
minha canção a Deus entoaria!

Pois nesta Noite de Natal, de glória,
um menino mudou a própria história
da Humanidade que não tinha Fé...

Que em cada coração aqui presente
possa nascer, feliz, eternamente,
O SINGULAR JESUS DE NAZARÉ!


sábado, 28 de dezembro de 2013

TROVAS DE NATAL

TROVAS DE NATAL Filemon F. Martins

Grande lição de Humildade
vem daquela estrebaria.
Natal da Boa Vontade
trazendo paz e alegria.

Natal! Em graça e oferenda
nasceu Jesus em Belém.
A fé cristã recomenda
no mundo fazer o bem.

Naquela Noite festiva
que Deus Menino nasceu,
toda a Terra rediviva
o sumo Bem conheceu.

Neste Natal de verdade,
de paz, ventura, eu insisto:
que a maior fraternidade

foi praticada por Cristo.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

NOS ARREDORES DE BELÉM

NOS ARREDORES DE BELÉM

Filemon F. Martins

Na estrada poeirenta o casal prosseguia
em busca de lugar nos lares de Belém,
- não havia lugar para ficar Maria,
e as casas se fechavam... Era ali, porém,

que, aflita, a virgem mãe seu filho ganharia,
cumprindo-se, de fato, o vaticínio além.
E ali, naquela tosca e santa estrebaria
nasceu o prometido, o símbolo do Bem.

O céu da Palestina encheu-se de esperança,
nasceu o Redentor, a Boa Nova avança
daquela manjedoura para o mundo inteiro.

Hoje, chega o Natal... Sinto uma paz serena
e a minha alma, a sorrir, se sente tão pequena
porque o olhar de Jesus mudou o meu roteiro!

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

CRISTO (COELHO DA COSTA)

CRISTO
COELHO DA COSTA

Nasceu. Era mister que a antiga profecia
Se cumprisse afinal, sob o céu que nos cobre;
Nasceu, como descera, em meio a gente pobre,
Que pobre era José, pobre a Virgem Maria.

Despido de ouropéis, entanto, homens de nobre
Estirpe, os Magos Reis, tendo um astro por guia,
Foram vê-lo ao presépio, onde o templo erigia,
Novo, da Nova Fé que ao justo os céus descobre.

Humilde e Rei dos reis, de vãs glórias desnudo,
E, inda mais do que rei, Deus, Senhor dos senhores,
Fez, ao descer à terra, oblação disso tudo.

E ontem e hoje e amanhã, em sendo noite ou sendo
Dia, por mendigar almas de pecadores,
Anda de porta em porta aos corações batendo.


(COLETÂNEA O NATAL DE CRISTO, PÁGINA 36)

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

NATAL (EDUARDO MAYR)

NATAL
Ora, direis, o Natal ...
EDUARDO MAYR


Se Natal fosse apenas uma festa,
Uma ciranda de presentes,
“jingle-bells” e cores,
não haveria o NATAL:
apenas um natal – um natal-festa,
natal – coisa, natal-mentirinha.


As coisas entristecem o Natal,
tornam cinza as mentes,
magoam os corações:
o colorido opressivo
das árvores de plástico;
os motivos repetitivos
de cartões de festa impessoais;
os papais-noéis suados,
gordos e velhacos;


os perus recheados
com castanhas estranhas;
os sorrisos pidões
das festas-obrigação...


Este ano eu quero um Natal sincero,
aberto, jubiloso, grande,
de festa autêntica no coração,
não importando cor ou presente,
mas a alma grande, o coração quente


Quero um Natal de louvor e adoração
de paz, amor e gratidão!
Quero um Natal expurgado,
desestabilizado, desindexado,
mas um NATAL autêntico
com CRISTO JESUS comandando a festa.

E você?


Natal de 1983/84
(POEMA ENVIADO POR ALINE BARBOSA-RJ)





terça-feira, 24 de dezembro de 2013

NATAL (EDUARDO MAYR)

NATAL
Eduardo Mayr

Mas afinal o que é Natal...
Enfeites? Cartões? Presentes?
Pinheiros? Cordões?  Estrelas?  Parentes?
Ou será o Natal....
Ruas apinhadas?  Lojas lotadas?
Trânsito engarrafado? Humor alterado?
Mas que Natal será este...
Pacotes, sininhos, fitas, flores,
Cores, sons, laços, dores,
Atropelos, correria, reclames, vazio...
O Natal não é fachada, Natal não é ilusão,
Natal é luz, é vida no coração,
é desafio à humanidade, desafio à contrição,
desprendimento, é ânsia de perdão.
Natal é encontro,
com o Deus de Belém,
e com o irmão daqui.
É a festa do Salvador,
caridoso e solidário,
para que o homem não se sinta mais solitário.
É vida e união, na família e no trabalho,
com paz e alegria,
sorrisos, Amor e cor.
É paciência, bondade e entrega,
humildade, delicadeza e tolerância,
inocência, sinceridade e caridade.
Que o Natal possa penetrar e suavizar,
purificar e transformar
O Homem, todos nós, para um mundo melhor.

Natal de 1998/99

(Do livro RECORDAÇÕES DE NATAL, poesia enviada por Lena Talita-RJ)




segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

POESIA DE NATAL

POESIA DE NATAL
EDUARDO  MAYR


Chegou mais um Natal...
Natal de alegria luz amor.
Estrela cintilante
mãos dadas,
cadeia fraterna,
inspiração maior.

O pequenino na manjedoura,
crucificado,
crucificado todo dia
pelo que tem mãos e não dá a mão,
pelo que tem braços e não abraça,
pelo que provoca dor, angústia,
e não sara os ferimentos do próximo,
pelo hipócrita, pelo desgraçado,
que esconde seus defeitos,
obrando na iniquidade,
não praticando o bem que tem ensejo de fazer.

Que neste Ano Novo
possamos todos encontrar
a alegria da esperança,
a ventura da humildade,
a sinceridade da fé,
a fortaleza do amor,
a excelência do perdão,
a magnificência da Justiça!
Venturoso, feliz
maravilhoso  Natal!


Natal de 1981/82
(POEMA ENVIADO PELA DRª ALINE BARBOSA-RJ)



domingo, 22 de dezembro de 2013

AINDA É NATAL

AINDA É NATAL

Filemon F. Martins



O sol já se escondia e a noite já chegava
nas cercanias de Belém, já preparada
para o senso que o rei ali realizava,
e por isso a cidade estava tão lotada.

Não havia mais lugar, a noite já passava...
José estava tenso e Maria preocupada...
Somente a tosca estrebaria os esperava,
pois ali nasceria a criança desejada.

O céu da antiga Palestina iluminou-se
nasceu o Redentor que humilde à terra trouxe
a mensagem de Paz, Amor e de Esperança.

Quando chega o Natal, de luz eu me ilumino
e volto a ser feliz como outrora um menino,
porém não voltam mais meus sonhos de criança!

filemon.martins@uol.com.br

www.filemon-martins.blogspot.com

sábado, 21 de dezembro de 2013

TROVAS DE NATAL COM FILEMON MARTINS

   TROVAS DE NATAL
         Filemon F. Martins

É Natal! Nossa Esperança
de ser bom, fazer o bem,
nasce com aquela criança
na manjedoura em Belém.

Neste Natal, bom Jesus,
de tantas incompreensões,
quisera que a tua luz
brilhasse nos corações.

Brilha uma estrela... É Natal...
A noite é silente e calma,
e a alegria vem, afinal,
morar feliz em minha alma.

Chega dezembro, senhores,
e há tantas promessas novas,
que eu desejo aos Trovadores:
- Boas Festas – Boas Trovas.

         

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

TROVAS DE NATAL - UBT - CURITIBA-PR

TROVAS DE NATAL-UBT-CURITIBA-PR

PEQUENA BELÉM EM FLOR
VIVE SEU SANTO NATAL.
TRAZ O JESUS REDENTOR
COM A PAZ FUNDAMENTAL!
         Vidal Idony Stockler
VOU PEDIR COM INSISTÊNCIA,
NESTE NATAL, UM PRESENTE:
- AMOR E PAZ COM URGÊNCIA,
PARA ESTE MUNDO CARENTE!
         Vânia Souza Ennes
ANO NOVO, TÃO FUGAZ!
INDA ONTEM SE ANUNCIAVA...
VEJAM: HOJE ELE AQUI JAZ,
SEM FOGOS, LUZ OU ALDRAVA.
         Rose Mary Assumpção
QUANTO MAIS FESTA E MAIS LUZ
NESSES NATAIS DE SALÕES,
MAIS NÓS SENTIMOS JESUS
AUSENTE DOS CORAÇÕES!
         Luiz Otávio


(UBT, CURITIBA- ENVIADO POR ANDRÉA MOTTA)

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O NATAL DE JESUS

O NATAL DE JESUS

Filemon F. Martins

Natal. Noite em Belém... A noite é bela...
O céu está tranquilo e deslumbrante.
Quase ninguém percebe a luz daquela
Estrela singular e fascinante.

Quanta beleza envolve aquela tela,
o menino nasceu e o povo errante
há de encontrar no filho que revela
uma história de amor edificante.

Grande exemplo naquela estrebaria
nos deu Jesus, o filho de Maria,
ao pecador que implora seu perdão.

Hoje, neste Natal, que a Humanidade
possa encontrar no amor, fraternidade,
a glória de ajudar o nosso irmão!


filemon.martins@uol.com.br
www.filemon-martins.blogspot.com
Caixa Postal 64
11740-970 – Itanhaém – SP.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

TROVAS DE NATAL

TROVAS DE NATAL

Natal! Com fervor profundo,
minha prece ainda insiste:
- Senhor! Não haja no mundo
nenhuma criança triste!
        Carolina Ramos
Eu teço um canto a Maria
na doce noite em que ponho
nos sapatos da poesia
presentes feitos de sonho.
        Eno Theodoro Wanke
Ah, que bom se acontecesse,
numa escala universal,
que este Mundo se entendesse...
Todo dia era Natal!
        Nei Garcez
No Natal seja o presente
a luz que vem do Menino;
no Ano Novo toda a gente
tenha na paz seu destino.
        José Marins
Quando a estrela apareceu
sobre a pobre estrebaria,
um Menino adormeceu
no regaço de Maria.
        Janske Schlenker

(UBT DE CURITIBA-PR.)


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

NESTE NATAL

NESTE NATAL
Filemon F. Martins

Natal. Tempo de Paz e de Bonança,
Jesus nasceu cumprindo a Profecia,
e toda a Terra cheia de Esperança
O recebeu com honras e alegria.

O Príncipe da Paz e da Aliança
que à Humanidade o amor transmitiria,
foi condenado a morte por vingança
dos fariseus com toda a hipocrisia.

Porém o amor venceu, correu o Mundo
no sentido mais amplo e mais profundo,
e pela fé, salvou, na rude cruz.

Neste Natal de Paz e de Ternura,
eu sinto dentro d’alma essa Ventura
que sorri no aconchego de Jesus!

filemon.martins@uol.com.br
www.filemon-martins.blogspot.com
Caixa Postal 64
11740 – 970 - Itanhaém – SP.


segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

NATAL

NATAL

Filemon F. Martins



É noite de Natal. A farta mesa
revela que o Natal, hoje, mudou.
Quem faz aniversário, com certeza,
em mesa farta assim nunca sentou.

Naquela noite a própria natureza
em mimos elegantes se enfeitou
para acolher o Rei, que, sem riqueza
na manjedoura humilde se mostrou.

Mas hoje a humanidade se desdobra
e por dinheiro faz qualquer manobra
e não parece se lembrar da cruz.

E do Natal os pobres ficam fora
aguardando que a luz da nova aurora
volte a brilhar nos olhos de Jesus!

filemon.martins@uol.com.br
Caixa Postal 64

11740-970-Itanhaém-SP

domingo, 15 de dezembro de 2013

A ESTRELA DOS MAGOS (FAGUNDES VARELA)

A ESTRELA DOS MAGOS
Fagundes Varela

Donde vens, glória do espaço!
Bela estrela radiante
Que campeias triunfante,
Sobre as cãs de Senaar?
Como és linda! Ao ver-te os astros
Por sobre as nuvens revoltas,
Rolam, como pedras soltas
Do teu desfeito colar!

Ah, sim! Tu vens do Oriente,
Passaste sobre as cimeiras
Das montanhas altaneiras
Onde a luz seu trono tem!
Trazes, quem sabe? Em teus raios
A palavra da verdade!
Prodígio da imensidade,
Dize – que sucede além?

Glória a Deus nas alturas,
Paz aos homens neste mundo!
Gênios do abismo sem fundo,
Torcei-vos, -  nasceu Jesus!


(Coletânea O NATAL DE CRISTO, páginas 45/46)