sexta-feira, 30 de maio de 2014

TUDO PASSA (AUTA DE SOUZA-1876/1901)


TUDO PASSA
AUTA DE SOUZA (1876/1901-RN)


Aquela moça graciosa e bela
Que passa sempre de vestido escuro
E traz nos lábios um sorriso puro,
Triste e formoso como os olhos dela…

Diz que su’alma tímida e singela
Já não tem coração: que o mundo impuro
Para sempre o matou… e o seu futuro
Foi-se n’um sonho, desmaiada estrela.

Ela não sabe que o desgosto passa
Nem que do orvalho a abençoada graça
Faz reviver a planta que emurchece.

Flávia! nas almas juvenis, formosas,
Berço sagrado de jasmins e rosas,
O coração não morre: ele adormece…

(Do livro HORTO, prefaciado por OLAVO BILAC)


SONHEI-TE (GILKA MACHADO)

SONHEI-TE
GILKA MACHADO (1893/1980)

Sonhei-te tantos anos! Tantos anos!
Eras o meu ideal de amor e de arte,
buscava-te a toda hora e em toda parte
nessa ânsia inexplicável dos insanos.

Enfim, vencida pelos desenganos,
como quem nada espera que lhe farte
a alma faminta, exausta de sonhar-te,
abandonei-me do destino aos danos.

Surges-me agora, em meio da jornada
da Vida: vens do Inferno ou vens da Altura?
- Não sei: mas de ti fujo, apavorada!

E, em lágrimas, minha alma conjetura:
uma felicidade retardada

quase sempre se torna desventura.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

TROVAS DO FILEMON

TROVAS DO FILEMON

Ciúme é cuidado e zelo
que temos do nosso bem,
pois não queremos perdê-lo
para os olhos de alguém.

Falando de amor, Maria,
que saudades sinto agora
daquela doce alegria
que em teus olhos vi outrora.

No livro da NATUREZA
as lições são sem iguais.
Tenho, por isto, certeza
que é onde se aprende mais.

Segue uma estrada florida
quem, na verdade, tiver
a glória de ter, na vida,

um coração de MULHER!

quarta-feira, 28 de maio de 2014

TROVAS DO FILEMON

TROVAS DO FILEMON     
                      
    

  
Não compreendo o teu mundo            
e o que diz teu coração.                     
- Se nosso amor é profundo,             
por que só me dizes não ?                   

Quantas noites, meu amor,                 
olhando, no céu, a lua,                       
eu me sinto um trovador                    
pensando na imagem tua.                  
               
No mundo do desamor                        
ao poeta, nada importa,                      
se na saudade e na dor                       
a inspiração oconforta.                       


QUEM AMA... (AILTON RODRIGUES)

QUEM AMA...
Ailton Rodrigues

Quem ama faz o bem
Quem ama dá amor
Quem ama não maltrata uma flor
Quem ama não tira a vida de ninguém.

Quem ama gama
Quem ama canta
Quem ama encanta
Quem ama, ama, ama, ama...


(Ailton Rodrigues é o Poeta do Alho, autor do livro QUANDO ENCONTRAMOS UM AMOR)

terça-feira, 27 de maio de 2014

QUEM É ELA (AILTON RODRIGUES)

QUEM É ELA
AILTON RODRIGUES

Quando ela chega
A gente vai
A gente não vai antes
E nem depois
Quando ela sai
A gente já se foi.
Sabe quem é ela?
A morte.


(Ailton Rodrigues é o Poeta do Alho, autor do livro QUANDO ENCONTRAMOS UM AMOR)

domingo, 25 de maio de 2014

TROVAS DE MARIA THEREZA CAVALHEIRO

TROVAS DE MARIA THEREZA CAVALHEIRO,

A nossa vida é fugaz...
É bom partir sem revolta...
Quem vem ao mundo já traz
uma passagem de volta!

Quem perde a oportunidade
por medo de ser feliz,
não colhe nem a saudade,
que arrancou pela raiz!

Reticências... uma frase
que alguém pensa, mas não diz...
Justamente aquele “quase”
que nos faria feliz!

Bem pior do que a certeza
é a dúvida que nos mata:
uma, só traz a tristeza;
outra, os fantasmas desata!


(Transcrito do site www.falandodetrova.com.br)

sábado, 24 de maio de 2014

TROVAS DO FILEMON                          

  
Quando o trem parte lotado
carregando as ilusões;
meu peito fica apertado
com medo dos arrastões.

Pensa bem na tua escolha,
na formação do teu lar,
e passe folha por folha
se não quiseres chorar.

Lá nos campos nasce o lírio
no meio dos espinhais,
como em nós nasce o martírio
no meio dos ideais.

“O futuro a Deus pertence”
não ao destino também;
é preciso que se pense
“o Presente é o que convém”.

filemon.martins@uol.com.br
Caixa Postal 64
11740-970-Itanhaém - SP.


sexta-feira, 23 de maio de 2014

INGENUIDADE I

INGENUIDADE I
Filemon F. Martins

Que ingenuidade a minha!
Falar sempre a verdade,
dizer tudo o que penso,
tudo o que sinto.
Que vale a verdade hoje em dia,
se apenas um olhar disfarça a mentira
e um sorriso, a falsidade?

Caixa Postal 64
11740-970-Itanhaém – SP.

Por favor, ao comentar o meu trabalho, entre em contato também pelo meu e-mail.



quinta-feira, 22 de maio de 2014

TROVAS DO FILEMON

TROVAS DO FILEMON

Não me queixo desta vida,
apesar da minha idade.
Queixo, sim, da despedida
que me trouxe esta saudade.

Quando a amargura me assalta
e a tristeza o peito invade,
eu sinto que a tua falta
vai me matar de saudade.

Nesta manhã reluzente
de sol aquecendo a terra,
vejo a beleza presente
no teu olhar cor de serra.

Entre flores, no meu sonho
estavas nos braços meus.
Mas de repente, tristonho,
acordei ouvindo “adeus”.

www.filemon-martins.blogspot.com
Caixa Postal 64
11740-970-Itanhaém – SP.

Por favor, ao comentar o meu trabalho, entre em contato também com o meu e-mail: filemon.martins@uol.com.br


quarta-feira, 21 de maio de 2014

PENSAMENTOS (CATHARINA DIRCE ARCOVERDE)

PENSAMENTOS
CATHARINA DIRCE ARCOVERDE

No aroma orvalhado das flores
Gotejar na luz do teu olhar
Que ficas a me fitar...
Acaricias meu pensar
Quando eu me acho eu me perco
Em pensamentos a delinear

Conceda-me 
Admirar-te!
Nesse teu olhar ousado
Revelar ensejos sabores
Cintilam sensações...

Antes da Saudade chegar...
Na sintonia do meu pensar.


(www.prefacio.net)

terça-feira, 20 de maio de 2014

DO PRODUTOR AO CONSUMIDOR (JÔ TAUIL)

DO PRODUTOR AO CONSUMIDOR
Jô Tauil

Poemas são palpáveis
Frutos redondos e maduros
Que escorrem pelos dedos
E nas palavras ganham sentido
Como polpa suculenta

Inexplicáveis poemas
Que saltam ondulantes
Indizíveis, muitas vezes
Mas que o poeta
Não se envergonha em dizer

Minuciosamente calculados
Sem métrica, sem ritmo, 
Sem rimas...
A sua prova é somente
Aquilo que o leitor sente

Poemas não são feitos
Só para o delírio do autor
Eles são, na verdade
Gestos nascidos na solidão
À procura de comunhão


(www.prefacio.net)

TROVAS DO FILEMON

TROVAS DO FILEMON
                         
   
Falando de amor, Maria,
que saudades sinto agora
daquela doce alegria
que em teus olhos vi outrora.

No teu sorriso, criança,
vejo o mais belo perfil,
porque tu és a esperança
do futuro do Brasil!

No livro da Natureza
as lições são sem iguais.
Tenho, por isto, certeza
que é onde se aprende mais.

Nenhum poema é mais belo
e inspira tanta esperança,
do que um sorriso singelo
no rosto de uma criança.


segunda-feira, 19 de maio de 2014

TROVAS DO FILEMON

TROVAS DO FILEMON    
                             

A distância é que nos mata
porque vem logo a saudade;
saudade – presença ingrata
da antiga felicidade.

Céu azul, todo estrelado,
sorrindo, ao clarão da lua,
e o meu peito, apaixonado,
a chorar a ausência tua.

Minha Bahia formosa,
que contraste, vejam bem:
- Deu ao Brasil, Rui Barbosa,
mas deu João Alves*, também.

Se queres ter um amigo,
não o abandones na estante,
que o Livro estará contigo
cada dia, cada instante!


domingo, 18 de maio de 2014

TROVAS DE MÁRIO B. FRANÇA

TROVAS DE MÁRIO BARRETO FRANÇA

Quem nesta vida tem planos
de ser do mundo senhor,
se esquece que os desenganos
são a cruz do sonhador.
Em política, estão perto
esperteza e insensatez:
quem vence, sempre está certo,
quem perde, nunca tem vez.
Se queres vencer na vida,
não faças degraus de alguém;
a vitória merecida
tem alicerces no bem.
No meio de tanta treva,
quem sabe amar pode crer.
- A fé é a força que eleva.
- A crença é a luz que faz ver.


sábado, 17 de maio de 2014

AMOR SUPREMO

AMOR SUPREMO
Filemon F. Martins

Meu coração recorda, emocionado,
o amor que norteou a minha vida,
e continua presente e bem guardado
na inspiração dos versos meus, querida.

Envolto nas lembranças do passado
preservo o que vivi, de fronte erguida.
Vou galopando pelo verde prado
onde a Esperança mora e faz guarida.

E enquanto o coração bater sedento,
vou prosseguir buscando o meu intento:
- continuar feliz por onde eu for.

Quero rever a Luz da madrugada
e despertar ao som da passarada
para viver, contrito, o nosso Amor!

filemon.martins.uol.blog.com.br
Caixa Postal 64

11740-970-Itanhaém-SP.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

TROVAS DE MÁRIO BARRETO FRANÇA

TROVAS DE MÁRIO BARRETO FRANÇA
Não olhe tanto o futuro
nem no passado se ausente,
porquanto o melhor seguro
é ser útil no presente!
Não é nem será fraqueza,
de um erro se arrepender.
Sempre demonstra nobreza
quem vence o seu próprio ser.
O circo é cópia discreta
do mundo, em glória e fracasso:
- Sofre no risco do atleta,
mente no rir do palhaço.
Raras são as criaturas
de julgamento sereno,
pois quando estão nas alturas
veem todo mundo pequeno.



quarta-feira, 14 de maio de 2014

O ENAMORADO DAS ROSAS (OLEGÁRIO MARIANO)

O enamorado das rosas

Olegário Mariano


Toda manhã, ao sol, cabelo ao vento,
Ouvindo a água da fonte que murmura,
Rego as minhas roseiras com ternura,
Que água lhes dando, dou-lhes força e alento.


Cada um tem um suave movimento
Quando a chamar minha atenção procura
E mal desabrochada na espessura,
Manda-me um gesto de agradecimento.


Se cultivei amores às mancheias,
Culpa não cabe às minhas mãos piedosas
Que eles passassem para mãos alheias.


Hoje, esquecendo ingratidões mesquinhas,
Alimento a ilusão de que essas rosas,
Ao menos essas rosas, sejam minhas.
 

segunda-feira, 12 de maio de 2014

MÃE (JÔ TAUIL)

MÃE!
Jô Tauil

Mulher que me guia
Nos atalhos da vida
Plantando em meu solo
Sementes de amor
Inventas histórias
Tens reino encantado
Onde sou princesa
(mas tu és rainha!)
Tuas águas tão claras
Nunca conduzem
A tristes naufrágios
Nem teu imenso carinho
Passa por desenganos
Mãos abertas em leque
Acolhem meus sonhos
Traças roteiros
Com pincéis de esperança
Preenches meu viver
Com risos
Com bálsamos
Com ternura desmedida
Teus braços, meu mundo
´São o fim da viagem
São meu porto seguro,
QUERIDA MÃEZINHA!

2010

(www.prefacio.net)

domingo, 11 de maio de 2014

MÃE (FILEMON MARTINS)

MÃE
           Filemon F. Martins

Anjo dos céus sobre a terra
é a mãe, que jamais erra,
nessa missão sem igual
de pôr na mente menina
um pouco de luz divina
que guia e combate o mal.

Quem tem mãe, na realidade,
tem grande felicidade,
pois seu amor é profundo.
Amor singular, bendito,
que jamais será descrito
pelos poetas do mundo.

Estrela d’Alva brilhando,
com sua luz nos guiando
pelos caminhos do bem;
mãe – flor de afeto, querida,
que filho algum, nesta vida,
outra mais bela não tem.

Mãe, teu amor é sagrado,
é sublime, é acendrado,
pois nasce do coração,
qual uma flor perfumosa
que enfeita e é tão formosa
na mais alegre estação.

Eis a nossa gratidão,
do íntimo do coração
pelo que fazes no lar:
Que sejas abençoada
nessa missão consagrada
de viver para embalar!


MÃE (LAURENTINA SANTOS NOVAIS)

 MÃE
                        Laurentina dos Santos Novais

Mãe – nome breve e largo de ternura,
nome esplendente, cujo sol de amor
fecunda a nossa vida, traz doçura
a qualquer filho, no lugar que for.

Ser divino entre as outras criaturas,
assemelhas-te ao próprio Criador,
quando te afliges e afinal procuras
livrar os filhos teus da amarga dor.

O vínculo perfeito da bondade
encontro em ti. Também a proteção,
no instante da cruel ansiedade...

Por isto, Mãe, meus rogos sempre são
para que Deus te dê felicidade
ao nível do teu grande coração!

(Anuário de Poetas do Brasil-1981-4º volume, página 298, org. de Aparício Fernandes)


sábado, 10 de maio de 2014

MAMÃE (ENO T. WANKE)

 MAMÃE
             ENO TEODORO WANKE
Mamãe, tua presença é suavidade
e está sempre comigo, na distância
na qual se transformou a breve infância
levada pelo tempo sem piedade.

Nas horas boas, quando uma saudade
é docemente alegre, e não traz ânsia,
oh, como és bela e meiga, na fragrância
tristonha que o meu coração invade!

Mas quando minha vida se encapela,
abandonado em meio da procela,
mamãe, bem que eu desejaria, aflito,

ser novamente aquele garotinho
ao qual bastava apenas teu carinho
para o Sol, outra vez, brilhar bonito.

(Anuário de Poetas do Brasil, 1982, 1º volume, página 143, org. de Aparício Fernandes-RJ)


sexta-feira, 9 de maio de 2014

OLAVO BILAC

OLAVO BILAC
Filemon F. Martins

Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac,
estrela de primeira, um verso alexandrino.
Perfeito no soneto, o vate foi destaque
e primou pela forma, ourives diamantino.

Como parnasiano revelou-se um craque
com seu verbo fluente e forte foi divino.
Palestrou, escreveu, amou e sem sotaque
“ora (direis) ouvir estrelas,” seu destino.

Orador, literato e um grande sonetista,
foi também pensador,  ardente jornalista,
gigante na palavra, um poeta de escol.

“Última Flor do Lácio” o vate da Esperança,
amante do Saber, da Pátria e da Criança,
por isso és fulgurante como a luz do Sol!




MÃE (MÁRIO BARRETO FRANÇA)

      MÃE
            Mário Barreto França
Quando eu vejo um berço onde se inclina
a mais santa mulher que o filho agrada.
Lamento a minha sorte, a minha sina
que me fez te perder na infância amada.

De então – pela existência peregrina,
falta-me tudo! Mãe – não tenho nada
que me dispense a graça pequenina
duma amizade desinteressada...

Ai quem me dera te tornar à vida
para inda ouvir a tua voz querida
e em teus braços maternos repousar...

Porque somente o que tem mãe no mundo
pode encontrar no seu amor profundo

a fé e o alento para crer e amar...