terça-feira, 20 de maio de 2014

DO PRODUTOR AO CONSUMIDOR (JÔ TAUIL)

DO PRODUTOR AO CONSUMIDOR
Jô Tauil

Poemas são palpáveis
Frutos redondos e maduros
Que escorrem pelos dedos
E nas palavras ganham sentido
Como polpa suculenta

Inexplicáveis poemas
Que saltam ondulantes
Indizíveis, muitas vezes
Mas que o poeta
Não se envergonha em dizer

Minuciosamente calculados
Sem métrica, sem ritmo, 
Sem rimas...
A sua prova é somente
Aquilo que o leitor sente

Poemas não são feitos
Só para o delírio do autor
Eles são, na verdade
Gestos nascidos na solidão
À procura de comunhão


(www.prefacio.net)

Nenhum comentário: