domingo, 30 de setembro de 2012

VEM, PRIMAVERA!


VEM, PRIMAVERA!


Filemon F. Martins


Vem, primavera de cores
encher a terra de flores,
de beleza e perfeição.
Flores azuis, amarelas,
vermelhas, brancas, singelas
que dão vida ao coração.

Vem, alegre primavera
enfeitar nossa tapera,
vem povoar nossos sonhos,
vem dizer NÃO a guerra
vem trazer à nossa terra
dias felizes, risonhos.

Vem, primavera – vida,
seja a nossa prometida,
nossa crença e nossa fé.
Teu colorido, teu encanto
enxuga até nosso pranto
e nos coloca de pé.

Cada pessoa, no mundo,
sente um amor profundo
na mais alegre estação.
Por uma de nossas flores,
as mulheres, meus senhores,
têm minha predileção.


filemon.martins@uol.com.br
www.filemon-martins.blogspot.com

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

TROVAS DO FILEMON


TROVAS DO FILEMON

 

Quem semeia em seu caminho

a semente da bondade,

planta a paz, planta carinho

e colhe amor à vontade.

 

Essa mágoa, essa tristeza

que paira no meu viver

me traz a plena certeza:

“neste mundo hei de vencer!”

 

É sempre bom recordar

para viver com decência,

vale uma vida exemplar

em nossa curta existência.

 

Se queres ter um porvir,

é preciso pensar forte,

que a vida pode sorrir

nascendo depois da morte.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

SOBERANIA


SOBERANIA

Filemon F. Martins

O coração é soberano,
não aceita imposições.
Ama sempre a quem ele escolhe
e nunca nos revela
os critérios de sua escolha.

 


Caixa Postal 64

11740 – 970- Itanhaém – SP.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

TROVAS DO FILEMON


TROVAS DO FILEMON

 

O tempo passou depressa

e com tal celeridade,

que tudo virou promessa...

Já não tenho mais vaidade.

 

Amei demais. Fui criança,

busquei luz, felicidade.

A vida enchi de esperança

e a minha alma, de saudade.

 

Abrindo a boca dos ventos,

farfalhando em arvoredos

nascem sonhos, sentimentos

que sufocam nossos medos.

 

Com tanto brilho e beleza

a vida começa, agora,

prometendo, com certeza,

a luz de uma nova aurora.
 


Caixa Postal 64

11740-970-Itanhaém – SP.

 

 

 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

TROVAS DO FILEMON


         TROVAS DO FILEMON

Levar a vida trovando

sempre foi meu sonho bom,

que a trova escrevi, amando,

e teu amor foi meu tom.

 

Não permitas que a amargura

domine o teu coração.

Canta um salmo de ventura,

busca a Deus em oração.

 

De manhã a Natureza

desperta cheia de cores.

Um colibri – que beleza,

vem beijar todas as flores.

 

Quem sabe meu verso um dia

alcance teu coração,

e volte, então, a alegria

ao som do meu violão.

 

Às vezes me ponho mudo

ante o mistério profundo,

porque Deus já disse tudo

nas maravilhas do mundo.

 


Caixa Postal 64

11740-970 – Itanhaém – SP.

 

 

 

 

domingo, 23 de setembro de 2012

TROVAS (COLUNA DE MARIA THEREZA CAVALHEIRO)


                                         TROVAS

 

MARIA THEREZA CAVALHEIRO

 

      FILEMON Francisco MARTINS (na foto com a filha Keise, em dia de lançamento), poeta, contista, biógrafo, ecologista, pesquisador, preocupa-se também em divulgar seus irmãos de ofício, em artigos pela imprensa ou pela Internet, no seu blog www.filemon-martins.blogspot.com E o faz mais ainda após sua aposentadoria do Tribunal Federal da Terceira Região, onde ingressou por concurso público. Trabalhou também na Empresa Folha da Manhã S/A. É fotógrafo amador e  tem um “hobby”: coleciona relógios. Fez o curso de Administração de Empresas.

Nascido em Ipupiara-BA, em 17.1.1950, reside em São Paulo desde 1969, atualmente na bucólica cidade litorânea de Itanhaém, com a Caixa Postal n° 64 (CEP 11740-970). O mar está presente em muitos de seus expressivos versos, os últimos publicados em “Anseios do Coração”, de 2011, que pode ser encontrado nas Livrarias Asabeça, Cultura, Martins Fontes, Da Vila, Leger e  outras na Capital paulista, e em Itanhaém na Livraria Jut’z Som. Pode também ser adquirido com o Autor, pelo e-mail filemon-martins@uol.com.br

Nesse livro, que é o segundo do Poeta - o primeiro foi “Flores do meu Jardim” - , além de bem elaborados sonetos, há também poemas livres e trovas - belas trovas! , sob os mais variados temas, incluindo “escadas”.

Filemon F. Martins, filho de Adão Francisco Martins e de Francolina Ribeiro Martins, teve, na vida literária, profunda influência de seu tio, o poeta e                       contista Carlos Ribeiro Rocha, assim como dos igualmente conhecidos escritores Mário Barreto França e Gióia Júnior.

Filemon é de uma família dotada com o dom da inspiração. O tio Carlos Ribeiro Rocha (4.11.1923 - 27.11.2011) deixou vários livros, como ”Harpa Sertaneja”, “Pingos de Mim”, “Meditações”, “Coroa de Sonetos”, “28 Sons” e outros. Foi fundador do Ginásio Diamantino e professor. Exerceu a função de Coletor Federal.

Seu irmão, MÁRIO RIBEIRO MARTINS (7.8.1943), membro e fundador de vários sodalícios, pastor evangélico e pregador, é renomado biógrafo. Seu “Dicionário Bibliográfico do Brasil”, na Internet, traz mais de 40 mil biografias de escritores. Tem numerosos livros publicados, dos quais o último se intitula “Razão do meu Viver e outras Amenidades”. Junto com o mano, Filemon lançou um “Dicionário Genealógico da Família Ribeiro Martins”. Mário é Professor universitário e Procurador da Justiça do Estado de Goiás.

JEREMIAS RIBEIRO FILHO, um dos primos, que se assina JERRY FILHO (21.12.1950), é também cordelista e professor. Publicou “Centelhas do Além”, com poemas, sonetos e trovas.

A prima LAURENTINA DOS SANTOS NOVAIS (4.2.1953), poeta e professora, é autora do hino dedicado ao Centro Educacional de Ipupiara, intitulado “Luz no Sertão”.

JEREMIAS RIBEIRO DOS SANTOS (30.9.1926 - 30.4.1999), que se assinava também JERRY SANTOS, era pai de Jerry Filho e de Laurentina; irmão de Carlos Ribeiro Rocha.

SAMUEL PIRES RIBEIRO (23.11.1961),  outro primo de Filemon, além de poeta, é músico e cantor.

Filemon F. Martins é casado com Celene Jinkings Martins; são seus filhos Keise, Maíse, Edilson, Allan e Gílson. O casal tem nove netos.

Vejamos algumas trovas dessa talentosa família:

 

 

 

Levanto cedo, não nego,

ando pescando a poesia,

na minha rede carrego

todo o mar de fantasia.

FILEMON F. MARTINS

 

Vejo a prova fulgurante

de um Poder, que não tem fim,

numa estrela - bem distante,

na vida - dentro de mim.

CARLOS RIBEIRO ROCHA

 

Com os olhos fitos no chão,

você só vê a tristeza.

Levante a cabeça, irmão,

e contemple a natureza! 

MÁRIO RIBEIRO MARTINS

 

Escolha um solo fecundo,

prepare-o com muito ardor,

e com fervor mais profundo

plante a semente do Amor!

JERRY FILHO

 

Não sei por que, ó saudade,

tu vens de tão longe assim,

roubar  a felicidade

que mora dentro de mim!

LAURENTINA DOS SANTOS NOVAIS

 

 

 

Nesta vida transitória,

nada vejo de valor,

pois, daqui, a falsa glória

murcha e finda como a flor!

JEREMIAS RIBEIRO DOS SANTOS

 

Amigos, guardem de cor

e viverão satisfeitos:

nossa vitória maior

é vencer nossos defeitos.

SAMUEL PIRES RIBEIRO

 

...................................................................................

Atenção para a mudança de endereço para remessa de correspondência para esta coluna: Caixa Postal nº 65019 - Agência Bela Vista - CEP 01318-970 São PauloSP.

 

 

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

FELICIDADE I


FELICIDADE  I 

Filemon F. Martins


A Felicidade chegou,
bateu à tua porta,
olhou carinhosamente,
chamou insistentemente,
gritou desesperadamente,
mas ninguém a viu,
ninguém a atendeu.

E ela se foi pelos caminhos da vida...

Foi assim que cheguei e te chamei,
mas não me ouviste.
Andei a teu lado,
mas não me viste.
Abri meu coração e disse que te amava,
mas não me acreditaste.
Busquei teu amor, nem sequer me olhaste.
Decerto amavas outro...

E fui assim, como a Felicidade,
seguindo o meu destino,
em busca de outros lábios,
em busca de outros braços,
até me perder nas curvas do caminho...

domingo, 16 de setembro de 2012

OUVI TEU CANTO


OUVI TEU CANTO

ANGELA FARIA DE PAULA LIMA

Ouvi teu canto, meu amor, e me levanto
Para poder assistir à serenata!...
Saiba que te tenho em doce encanto
E este suave canto me arrebata...

Que a lua venha nos cobrir com seu manto
E adornar nosso amor com véu de prata
Ouvi teu canto, meu amor, e me levanto
Para poder assistir à serenata.

Obrigada pela flor. Amo-te tanto!
Ouvir-te em teu cantar é coisa grata
É para mim suave acalanto
Como o rolar das águas na cascata...

Ouvi teu canto, meu amor, e me levanto...


11/09/2012

sábado, 15 de setembro de 2012

SAUDADE


SAUDADE

 

        Filemon F. Martins

 

 

Eterno sonho de felicidade,

- ventura que chegou tão tarde,

- ventura que se foi tão cedo...

 

Sonho de amor, de meiguice,

quantas palavras que não disse

e que é tarde demais para dizê-las...

 

Só restou a saudade quando você partiu...

 

E nunca mais amei alguém como você... 

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

CAMINHOS


       CAMINHOS

             Filemon F. Martins

 

Eu conheço de perto estes caminhos

onde as águas deslizam pelas grotas,

onde as aves, alegres, fazem ninhos

para depois buscarem novas rotas.

 

Bons amigos, parceiros e vizinhos,

não há vitórias nem também derrotas...

As árvores acolhem passarinhos

que chegam de paragens tão remotas.

 

A lembrança me vem ao pensamento,

como era bom viver aquele tempo

em que o sonho embalou o coração.

 

Eu quisera de novo, estar desperto

e andar, mais uma vez, de peito aberto

pelos caminhos ínvios do Sertão!

 

filemon.martins@uol.com.br


Caixa Postal 64

11740-970- Itanhaém – SP.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

F U G A


F U G A

 

Divenei Boseli/SP

 

Fugindo à solidão, a largos passos,

nos braços da ilusão fui por aí,

fingindo a exatidão com que senti

a túrgida emoção de outros abraços.

 

Burlando a perdição, feito um saci,

ergui nova paixão sem embaraços,

forjando a frouxidão dos nervos laços

depois da ebulição que consegui.

 

E gozo em cada corpo, em cada cama,

o autêntico prazer que só quem ama

conhece, e só acontece isso, porque

 

em cada boca estranha eu bebo um pouco

do fel com que matei, num gesto louco

o louco amor que eu tive por você.

 (TROVARIEDADES 92)

sábado, 8 de setembro de 2012

TROVAS DO FILEMON


        TROVAS

        Filemon F. Martins

 

Chega a Maíse, lourinha,

com a beleza da flor:

- da mamãe, a ternurinha,

- do papai, bondade e amor.

 

“Um ser divino na terra”

criança – futuro em flor:

pequenina, mas encerra

um tesouro de valor.

 

Na subida, companheiro,

observe esta lição:

quanto mais cresce o coqueiro,

mais longe fica do chão.

 

No livro da Natureza

as lições são sem iguais.

Tenho, por isto, certeza

que é onde se aprende mais.

 

Vejo o céu – lua crescente

bailando maravilhosa...

Penso em você, sorridente,

neste meu céu cor-de-rosa.

 


Caixa Postal 64

11740-970-Itanhaém – SP.