quarta-feira, 5 de setembro de 2012

ABRANGÊNCIA


         ABRANGÊNCIA

 
                   Vanda Fagundes Queiroz

 
Minha tristeza está no passo triste

que à minha frente vejo desfilar.

Minha tristeza está no dedo em riste

que em vão persiste ainda em discordar.

 

Minha tristeza também chora e insiste

em esperanças que não têm lugar;

e outra tristeza anônima, se existe,

minha tristeza anseia consolar.

 

Minha tristeza é feita de mil rostos

e de mil fomes e de mil desgostos

e de mil nomes, de quem triste viva.

 

E por assim sentir-lhe tal grandeza,

nem sei se é minha só, minha tristeza,

pois se tornou... tristeza coletiva!

Nenhum comentário: