domingo, 31 de julho de 2011

TROVAS

Carlos Ribeiro Rocha

Cabeça, meu companheiro,
onde a prudência não medra,
é a cabeça do outeiro
cujo miolo é só pedra.

A terra, a mata florida,
o mundo e os portentos seus,
isto é a grandeza da vida,
e a vida – a força de Deus.

O que eu dizia, em meu canto,
na trova, agora, reforço:
Nenhum dente morde tanto
como dente do remorso...

Entre os cabelos da noite,
lindas presilhas de estrelas...
Nem mesmo o tremendo açoite
do vento, pode movê-las!

sábado, 30 de julho de 2011

ANSEIO I

                                    Filemon F. Martins

             Eu quero a luz
             que existe em teu olhar.
             Quero a ternura
             que há em tua voz.
             Quero a meiguice
             que há no teu sorriso.
             Quero a paz
             que há em tua vida.
             Quero a beleza
             que emana de tua alma.
             Quero a pureza
             que vem de ti.
             Quero os segredos
             do teu pensamento.
             Quero a sinceridade
             do teu sentimento.
             Quero o fogo
             de tua paixão.
             Eu quero ter, enfim,
             a posse do teu coração.

             filemonmartins@bol.com.br
             www.filemon-martins.blogspot.com
             Caixa Postal 64
             11740-970- Itanhaém – SP.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

DO ESTILO / DE VIVER


Miguel/Jô

O ar é ameno / sereno
Denso o dourado / encantado
Da brisa à flor / o cenário

Vivo desse sentir / permanente
Com tal sabor / de sutileza
Leve disfarce / de gozo puro!

Em cada cor / sensual
Meu agradável / prazer
Consciente impasse / voyeur

quinta-feira, 28 de julho de 2011

PENSANDO COM MEUS BOTÕES


        Robson de Sousa Martins

Estou em constante pensamento comigo mesmo
Desejo chegar a grandes conclusões
Analiso o passado e planejo o futuro
Pensando com meus botões.

Nesta grande análise do passado,
A vida retrocede em minha mente.
Tantos episódios... Acontecimentos,
Passando tão rapidamente.

E agora, planejando o futuro,
Vejo grandes possibilidades,
Iluminando o que antes era escuro.

Ao fim desta reflexão, acordo na realidade.
Do passado tenho saudade
E do futuro, ansiedade.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

CAMINHOS

DJANIRA PIO

Nada fiz
que procurar
o Caminho
Na composição biológica
do Ser,
o apelo que empurra.
A massa que reluta
entre o espírito
e a matéria.
Dentro de mim
o Caminho.

terça-feira, 26 de julho de 2011

ESCREVER


            Artur da Távola

Escrever é sina, espanto e faina
amor, afã de tenaz faxina.
Palavra por no que é paina
luz dar a penas ao que ilumina.

Estruma a estrofe dor que suponho
verbo assassino. O poema é mortal.
O verso se esforça, soa bisonho,
quer transcender o idioma banal.

Nutrir-se do mal que o arruína,
banir e amar o impulso medonho.
Verbal é o mel que o determina.

Inscrita na frase do vate tristonho
implode no estro a ilusão cristalina
de ser e estar onde me sonho.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

POESIA EM TELA


Miguel Eduardo Gonçalves


Formas evaporam-se
Em cores, como prêmio
Decompõem a tarde
Em árvores, e em sombras
Na ilusão das luzes
Que o espaço ocupa
Entre o céu e a brisa
De vaporoso perfume
Quando aos sentidos ecoam
Não raro, dos olhares
Flores de um jardim

(Do site www.prefacio.net)

domingo, 24 de julho de 2011

                SONETO

              Ialmar Pio Schineider (Porto Alegre-RS)         

Depois de tantos versos que escrevi
pensando num amor que não havia,
agora cai a ficha e penso em ti,
para te dedicar minha poesia...

Eu sei que vais andando por aí
e sem pensar em mim preenches teu dia,
enquanto vou sofrendo o frenesi
de alimentar-te em minha fantasia...

Preciso te dizer versos antigos,
embora tenham sido revelados
bem antes de te amar e conhecer...

porque eles foram sempre meus amigos
e não podem ser hoje recusados,
pois sei que me ajudaram a viver...


sábado, 23 de julho de 2011

ORVALHO MÚTUO


Como algas // Desgarradas
No silêncio desfila // E propaga
O hábito, o mito // Desdito
Que a pele estala // No hálito do prazer
Acende a pupila // E regala-se
E cala // Subitamente
Minúcia das fibras // Tão alvas
No tempo // Incerto
Fração irredutível // E extremosa
De serem // Um futuro...

Miguel / Luiza

sexta-feira, 22 de julho de 2011

AGRADECER É UMA BÊNÇÃO


Martha Moro


Quisera eu pudesse,
transformar em abraços cada palavra...
Quisera eu pudesse
carregar nos braços flores para cada um...
Quisera eu fosse abençoada
e hoje pudesse dizer a cada amigo: é um privilégio!
Quisera eu pudesse tantas coisas
mas apenas me ocorre dizer
em pura emoção:

OBRIGADO, DO CORAÇÃO DO RIO GRANDE, PARA CADA CORAÇÃO AMIGO


(Do site www.prefacio.net)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

HOJE DE MANHÃ


Fernando Pessoa

Hoje de manhã saí muito cedo,
Por ter acordado ainda mais cedo
E não ter nada que quisesse fazer...
Não sabia por caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varria para um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.
Assim tem sido sempre a minha vida,
E assim quero que possa ser sempre —
Vou onde o vento me leva e não me sinto pensar.

terça-feira, 19 de julho de 2011

CONFISSÃO

                                 Filemon F. Martins

 

                            Como eu te amo!
                            Como eu te adoro!
                            Quanto eu te quero!
                            Nem parece normal amar assim,
                            amar sinceramente,
                            querer-te assim tão docemente,
                            como se fosses, na terra, um querubim!

                            Por isso almejo com todo amor do mundo
                            viver perto de ti, de segundo em segundo,
                            sob a luz do teu olhar,
                            ouvindo a tua voz tão meiga a me falar.
                            Ah! Que ventura maior na vida existe,
                            eu que fui, nesta existência, um triste?
                            Hoje e sempre quero ficar contigo,
                            sentindo o teu calor,
                            e adormecer, sorrindo, para, depois dizer:

                            Eu sou feliz, muito feliz,
                            pois encontrei o amor da minha vida,
                            quero ser somente teu,
                            também deves ser minha, porque assim:
                            Não haverá tristeza em meu caminho,
                            nem solidão, nem dor,
                            só haverá felicidade, compreensão, carinho,
                            E SOBRETUDO A PAZ DO NOSSO AMOR!

                            filemon.martins@uol.com.br
                            www.filemon-martins.blogspot.com
                            www.prefacio.net
                            Caixa Postal 64
                            11740-970- Itanhaém – SP.           

segunda-feira, 18 de julho de 2011

PARA QUEM ME QUISER

                   Araci Barreto
Quem me quiser
que me dê seus carinhos
e me embale;
que me aceite com meus defeitos
e me apóie;
que se aflija com minha dor
e me console;
que me desnude com seu amor
e me aqueça.
Quem me quiser
me procure e me traga flores,
cubra-me de beijos
e me fale de amores.
                                          
(O Jornalzinho, Postal Clube, jul-ago/2011, página 3)

sábado, 16 de julho de 2011

TROVAS

PEDRO ORNELLAS (Humorísticas)

Diz, manguaçado, o freguês,
olhando o amigo de frente:
“E então, quando é que nós três
vamos beber novamente?”

Flagrando no ato o noviço,
pergunta o frei a berrar:
- Pode explicar o que é isso???
- Posso sim: tremendo azar!

- Como um cão, doutor, me trata
o meu marido cruel...
- Quer dizer que ele a maltrata?
- Não!... Quer que eu seja fiel!

Melhor dar que receber”
diz alguém numa entrevista.
“Muito bem, gostei de ver!
- E o que faz?” “Sou pugilista.”

sexta-feira, 15 de julho de 2011

TROVAS

Lírico

Pedro Ornellas

Não há roceiro que possa
na cidade ser contente...
Porque a gente sai da roça
e a roça não sai da gente!

Que delícia o beijo doce
que te dei com emoção!
Melhor fora, se não fosse
somente imaginação...

Sei disso, e tenho certeza,
mesmo sem ser professor:
Não se diz “Mãe Natureza”,
o certo é “Pai Criador”!

Com certeza Deus se agrada
do gesto nobre de quem
com outros que não têm nada
divide o pouco que tem!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A NOITE E EU

A NOITE E EU

Filemon F. Martins

É noite.
A lua é um espetáculo indizível,
um convite à Felicidade.

Piscam as estrelas no céu,
piscam as luzes da cidade.

Há muito brilho, muita claridade,
mas em meu coração
a noite não tem lua:
- Não há luz, não há brilho,
não há beleza,
só me restou
a lembrança tua,
porque sem ti,
estou só,
estou na escuridão...

www.filemon-martins.blogspot.com
Caixa Postal 64
11740-970-Itanhaém – SP.

terça-feira, 12 de julho de 2011

CAPRICHO

                                  CAPRICHO
                                           Filemon F. Martins
                   
Quis o destino, caprichoso, um dia,
que eu sofresse, na terra, grande dor.
Conspiração dos astros da poesia
que me fizeram crer no teu amor.

Ingênuo, acreditei na fantasia
que me ofertou teu lábio sedutor,
e vi morrendo, aos poucos, a alegria
quando partias como o beija-flor.

Eras a estrela vésper do meu sonho
povoavas meu céu sempre risonho
em noites de fulgor e de luar...

Mas me deixaste assim, cama vazia,
sem ter ninguém na madrugada fria,
um condenado à morte por amar.


segunda-feira, 11 de julho de 2011

ESTRELAS

Hoje, estou de volta com o poeta moderno Edimo Ginot e seu poema:

ESTRELAS
       Edimo Ginot
E eu me ponho
a contar estrelas
como se o universo
tivesse um fim

e eu me disponho
em talvez retê-las
num simples verso
de um poema ruim

mas é só sonho
não posso tê-las
então desconverso
é melhor assim

(Do livro POETA VENCIDO, página 88)