domingo, 30 de novembro de 2014

TROVAS ESCOLHIDAS - 2015

TROVAS ESCOLHIDAS – CALENDÁRIO 2015

Nuvens que vejo ao sol posto
fico a pensar com meu eu:
Parecem rugas no rosto
da tarde que envelheceu.
        Geraldo Amâncio
Se alguma dor te entristece,
levanta-te, abre as janelas
e ao fervor de tua prece,
deixa Deus entrar por elas...
        Thalma Tavares
Esconde o pranto depressa
e finge que estás contente,
que aos outros não interessa
saber as mágoas da gente.
        Maria Thereza Cavalheiro
As sombrias madrugadas
- discretas, sem alaridos -,
são testemunhas caladas
dos amores mais sofridos...

        Lucília Decarli

sábado, 29 de novembro de 2014

FELICIDADE II

FELICIDADE II

Filemon F. Martins


E a minha alma se abre, fica leve
ao ver que o mundo pode ser feliz.
Basta, às vezes, tão pouco:
um simples gesto,
uma palavra de amor,
um aperto de mão,
ou um sorriso acolhedor.


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

A MORTE DO JANGADEIRO

A MORTE DO JANGADEIRO

Padre Antônio Tomás (1868-1941)

Ao sopro do terral abrindo a vela, 
Na esteira azul das águas arrastada, 
Segue veloz a intrépida jangada   
Entre os uivos do mar que se encapela.

Prudente, o jangadeiro se acautela   
Contra os mil acidentes da jornada;   
Fazem-lhe, entanto, guerra encarniçada   
O vento, a chuva, os raios, a procela. 
  
Súbito, um raio o prostra e, furioso,   
Da jangada o despeja na água escura;   
E, em brancos véus de espuma, o desditoso
  
Envolve e traga a onda intumescida,   
Dando-lhe, assim, mortalha e sepultura   
O mesmo mar que o pão lhe dera em vida.


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

FLOR MULHER (JERRY SANTOS)

FLOR MULHER  (homenagem às mulheres)
Jerry Santos (1926-1999)

Mística flor de angélica beleza,
Estrela d´Alva de rútilo clarão,
pulcra flor que engalana a Natureza,
e aos menestréis traz viva inspiração.

Linda flor dos rosais da Criação,
a encher o Orbe de graça e de grandeza,
super musa que ao estro dá vazão,
e a lira fortalece e dá destreza...

Lírica flor de charme Oriental
a embelezar a terra, o Universo,
anjo ledo de afago divinal!

MULHER – Flor de Sarom – terna e ideal –
da lira de Jeová – o melhor verso –

feito com arte e primor celestial! 

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

PENSANDO NA VIDA (Edimo Ginot)

PENSANDO NA VIDA
Edimo Ginot

vivi apressado
pensando na vida
como se na vida
valesse pensar

apertei o passo
em quase corrida
como se correr
me fizesse chegar

cheguei atrasado
perdi a partida
se nem houve ida
como hei de voltar?


(Do livro POETA VENCIDO, PÁGINA 37)

terça-feira, 25 de novembro de 2014

SÁBIO CONSELHO (MÁRIO RIBEIRO MARTINS)

SÁBIO CONSELHO

Mário Ribeiro Martins

Se te procuram nesta vida humana
para as orgias que prazeres tem,
observa à tua frente a durindana
que produzir-te muitas dores vem.

Se de flores o mundo se engalana
e te promete tão incerto bem
-  é a miragem que da vida emana
e nunca traz venturas a ninguém.

Se queres descobrir toda a verdade
que se contém nos simples versos meus,
atenta para tal realidade:

Não imites jamais os saduceus,
hipócritas e cheios de maldade,
mas sê exemplo para os teus!

(ANTOLOGIA LETRAS ANAPOLINAS, PÁGINA 409)


domingo, 23 de novembro de 2014

TROVAS DE CARLOS RIBEIRO ROCHA

TROVAS DE CARLOS RIBEIRO ROCHA

Quando uma árvore cortares
para serviço do lar,
lembrando dos outros lares,
planta dez em seu lugar.

Eis a norma a ser seguida
por quem quer viver em paz:
receba as lições da vida,
dê seu exemplo aos demais.

Tem mais luz do que mil velas,
mais perfume do que a flor,
faz as criaturas belas
e o Mundo constrói – o Amor.

Vejo a prova fulgurante
de um poder que não tem fim,
numa estrela, bem distante,
na vida, dentro de mim.


(Revista A FIGUEIRA, outubro/1994, página 9)

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

TROVALORES DO PARANÁ (UBT, CURITIBA-PR)

TROVALORES DO PARANÁ (UBT-CURITIBA-PR)

Tanto, tanto ela falou
na última temporada,
que da praia ela voltou
com a língua bronzeada!
Roza de Oliveira

Em frente à porta fechada,
bate a criança carente:
-flor murcha, à custa vingada
na safra dos quase gente...
Vanda Fagundes Queiroz

Quanto sonho não vivido
do jeito que foi sonhado!
Mas tudo tem mais sentido
quando, enfim, é conquistado.
Olga Agulhon.

Saudade nem sempre é triste,
traz lembrança de um ausente
que de longe ainda insiste
em se dar como presente.
Luiz Hélio Friedrich.

Quem quer amor duradouro,
alegria e não adeus,
deve guardar um tesouro:
a parceria com Deus.
Eliana Palma

Tenho, por certo, em verdade,
bem vivo, embora pungente,
que a mais pungente saudade
é aquela de alguém... presente!


Maurício N. Friedrich

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

TROVAS DO FILEMON

TROVAS DO FILEMON

No teu sorriso, criança,
vejo o mais belo perfil,
porque tu és a esperança
do futuro do Brasil.

Criança és flor, és bonança
espargindo luz e amor,
porque trazes a esperança
de um futuro promissor.

Criança, teu sorriso é tudo,
traz um brilhante porvir,
se amparada com estudo,
o mundo volta a sorrir.

Que o teu futuro, criança,
seja de luz e esplendor,
vislumbre de confiança
no mundo do desamor.


(ANTOLOGIA 16, PÁGINA 62)

domingo, 16 de novembro de 2014

APELO (ENO THEODORO WANKE)

APELO
Eno Theodoro Wanke (1929/2001)

  Eu venho das lições dos tempos idos,
e vejo a Guerra no horizonte armada.
Será que os homens bons não fazem nada?
Será que não me prestarão ouvidos?

Eu vejo a Humanidade manejada
em prol dos interesses corrompidos.
É mister acabar com esta espada
suspensa sobre os lares oprimidos!

É preciso ganhar maturidade
no fomento da paz e da verdade,
na supressão do mal e da loucura...

Que a estrutura econômica da guerra
 se faça em pó! E reinem sobre a Terra
os frutos do trabalho e da fartura!



Nota: APELO, é o soneto em português mais traduzido para idiomas estrangeiros: 101 idiomas. Um verdadeiro fenômeno!

CONTRASTE (PADRE ANTONIO TOMÁS-1868/1941)

Contraste

Padre Antônio Tomás (1868-1941)

Quando partimos no verdor dos anos,   
da vida pela estrada florescente,   
as esperanças vão conosco à frente,   
e vão ficando atrás os desenganos. 
  
Rindo, cantando, céleres e ufanos,   
vamos marchando descuidosamente;   
eis que chega a velhice, de repente,   
desfazendo ilusões, matando enganos. 
  
Então, nós enxergamos claramente   
como a existência é rápida e falaz,   
e vemos que sucede, exatamente, 
  
o contrário dos tempos de rapaz:   
- os desenganos vão conosco à frente,   
e as esperanças vão ficando atrás.
  

sábado, 15 de novembro de 2014

PROVA INFALÍVEL (Pe. Manuel Albuquerque)

PROVA INFALÍVEL
Pe. Manuel Albuquerque

  Quando eu soltar meu último suspiro;
quando o meu corpo se tornar gelado,
e o meu olhar se apresentar vidrado,
e quiserdes saber se inda respiro,

eis o melhor processo que eu sugiro:
-  Não coloqueis o espelho decantado
em frente ao meu nariz, mesmo encostado,
porque não falha a prova que eu prefiro:

 Fazei assim: - Por cima do meu peito
do lado esquerdo, colocai a mão
e procedei, seguros, deste jeito:

  Gritai “MARIA!” ao pé do meu ouvido,
e se não palpitar meu coração,
então é certo que eu terei morrido!


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

SAUDADES (FLORBELA ESPANCA)

SAUDADES
FLORBELA ESPANCA

Saudades! Sim... talvez... e por que não?...
Se o nosso sonho foi tão alto e forte
que bem pensara vê-lo até à morte
deslumbrar-me de luz o coração!

Esquecer! Para quê?... Ah! Como é vão!
Que tudo isso, Amor, nos não importe.
Se ele deixou beleza que conforte
deve-nos ser sagrado como o pão!

Quantas vezes, Amor, já te esqueci,
para mais doidamente me lembrar,
mais doidamente me lembrar de ti!

E quem dera que fosse sempre assim:
quanto menos quisesse recordar
mais a saudade andasse presa a mim!


(OS MAIS BELOS SONETOS QUE O AMOR INSPIROU, PÁGINA 235 – VOLUME II)

terça-feira, 11 de novembro de 2014

ANTOLOGIA 16

ANTOLOGIA 16
Filemon F. Martins

Acaba de ser lançada em PORTO DAS CAIXAS, Rio de Janeiro, a Antologia 16, do Postal Clube, organização magnífica de Araci Barreto, que nos informa: “O POSTAL CLUBE foi fundado há 26 anos – abril/1988 – com a finalidade de promover o encontro das pessoas solitárias de todo o Brasil através de cartas. Com o correr do tempo começamos a perceber que muitos dos associados eram pessoas dedicadas à Literatura – principalmente à Poesia. Com as cartas vinham muitos versos, poemas, trovas, crônicas, contos e outros escritos cheios de sensibilidade e amor para dar; cheios da solidão do Poeta. Após 2 anos da fundação do Postal Clube tínhamos uma gaveta cheia de ótimos textos, e não sabíamos o que fazer com eles. Então criamos O JORNALZINHO; em Setembro de 1990 circulou entre os associados O JORNALZINHO n° 1. Mudamos então o slogan para “AMIZADE COM POESIA.” Cinco anos depois, em 1996, lançamos nossa primeira Antologia.” A Coletânea Postal Clube n° 16, (2014) reúne 33 (trinta e três) autores, com Prefácio de ARACI BARRETO, Poetisa e Cronista, que, sobre a sede do Postal Clube, PORTO DAS CAIXAS, afirma: “Foi uma das províncias mais importantes do Rio de Janeiro na época do Império, século XVI. Devido à privilegiada localização, perto do rio Aldeia (uma das vertentes do rio Macacu), foram criados um porto fluvial e armazéns destinados a recolher os produtos das regiões vizinhas. Isso fez com que crescesse depressa o número de habitantes e o comércio, tornando o local um centro comercial, político, cultural e religioso da região. O nome “Porto das Caixas” originou-se a partir do envio dessas mercadorias em “caixas”, embarcadas no porto”. Nas páginas 17 e 18 vem Afonso Maria da Paixão (Frei Afonso), com os SONETOS TROPEÇANDO O PASSO NO PASSADO E O PACTO DO PERDÃO; páginas 19 e 20, André Anlub, com os poemas DAS LÁGRIMAS E MANJANDO O KILIMANJARO; páginas 21 e 22, Angela Togeiro, com DO ABANDONO... E DAS FOMES... ; páginas 23 e 24, Antonio Cabral Filho, com a CRÔNICA DO CONTO; páginas 25 a 28, Antonio Carlos Santos Rocha, com TRAGAM-ME DE VOLTA!, PLANÍCIE IMENSA, CAFÉ DAS CINCO, DELÍRIO, ENAMOREI-ME DE UMA BORBOLETA E PEDRINHAS DE FELICIDADE; páginas 29 e 30, Antônio Dias Neme, com A LENTE E ORAÇÃO DO IDOSO; páginas 31 a 35, Araci Barreto, com os poemas PORTO DAS CAIXAS, O MURMÚRIO DAS ONDAS, ANDO EM BUSCA DE UMA ESTRELA, KARDEC ESTAVA CERTO, ALERTA, NA MINHA ALDEIA, TENHO CERTEZA, MURMUREI E AVE DA NOITE; páginas 36 e 37, Aurelina Farias, com A ARTE E O GOSTO PELA ESCRITA; páginas 38 e 39, Beatriz Dutra, com BREVIDADE E LOUVADA SEJA ADÉLIA (este inserido no Blog www.filemon-martins.blogspot.com); páginas 40 a 42, Célia Lamounier, com PASSO A PASSO 01, MOMENTOS MÁGICOS E O SEMPRE; páginas 43 a 46, Cícero Pedro de Assis, cordelista, com O MEU PASTOR, A GRANDE BUSCA, PRISÃO PERPÉTUA E MAIORIDADE PENAL; páginas 47 e 48, Diana Medeiros, com AMOR E PRIMAVERA; páginas 49 a 51, Dionysa Brandão Rocha, com O PONTO; páginas 52 e 53, Djanira Pio, com SEU RETRATO, BORBOLETAS AMARELAS E FINADOS; páginas 54 e 55, Doumerval Tavares Fontes, com SEMENTES DE AMOR, FELICIDADE E O SOL; páginas 56 e 57, Emanuel Lima, com PANEGÍRICO DE ÍSIS E CARNAVAL; páginas 58 e 60, Eurípedes Rodrigues da Costa, com MINICONTOS; página 61, Fernando Câncio De Araújo, com MINHA ÚLTIMA SERESTA; páginas 62 e 63, Filemon F. Martins, com TROVAS E EXALTAÇÃO À PÁSCOA; páginas 64 a 67, Marco Aurélio de Faria Luz, com A PIRA DAS EFEMÉRIDES, TAPA NA CARA E DELÍRIO DIVINO; páginas 68 a 71, Marcos Costa Filho, com MAS EM COMPENSAÇÃO... O BRASIL É CAMPEÃO!, CHIMARRÃO A DOIS, CANTADOR APRISIONADO E O TEMPO, O AMOR E O DESTINO; páginas 72 e 73, Maria Carolina Rangel De Bonis, com DECOMPOR E CONTORNAR O FINO FIO; páginas 74 e 75, Maria Lúcia Silveira Rangel, com DAMIANA DA CUNHA, “A MISSIONÁRIA”; páginas 76 e 77, Mariluiza Campos, com SEMPRE SORRINDO E SERENIDADE; páginas 78 e 79, Marisa Amorim, com NOSSOS 15 ANOS, A CRUZ E MULHERES E METADES;  páginas 80 e 81, Nilton José da Silva, com O MOÇO E O CACHORRO, A MANDINGA E TROVAS;  páginas 82 e 83, Olinda Ferreira, com GUERREIRA E O ENTARDECER DA VIDA; páginas 84 e 85, Pablo Demétrio, com SAUDAÇÕES E OTIMISMO; páginas 86 e 87, Paulo Dias Neme, com NÃO À MISÉRIA E ATENTO; páginas 88 e 89, Pedro Franco, com IMAGENS DA LAREIRA; páginas 90 a 92, Sofia Machado Carvalho, com AMOR DE MÃE, CAIXA DE TESOUROS, QUERIDA MÃE, A LÁGRIMA MILAGROSA E VIAGEM; páginas 93 e 94, Suely Andó, com ROTINA; páginas 95 e 96, Vera de Barcellos, com NÃO SEI... E NAS ALAMEDAS DOS MEUS SONHOS... Nas páginas 08 a 16, a Antologia traz as biografias simplificadas dos Autores. São 26 anos de Amizade com Poesia, um trabalho de fôlego, bem escrito e bem organizado por ARACI BARRETO. Parabéns aos coautores da Antologia, especialmente à escritora e poetisa ARACI BARRETO.


Caixa Postal 64  -  11740-970- Itanhaém – SP.

domingo, 9 de novembro de 2014





TROVAS DO JERRY FILHO

TROVAS DO JERRY FILHO

Já dizia um certo nobre
ao filosofar aos seus:
“aquele que empresta ao pobre,
simplesmente dá... Adeus!”

Cada trovinha que escrevo,
muito feliz, qual um bravo
- de quatro folhas – é trevo,
- de amores – é lindo cravo!

Pela sombra do destino
o qual traça a diretriz,
viajo desde menino
na ilusão de ser feliz.

Nesta vida amargurada
onde o mal se opõe ao bem,
a poesia é nossa fada
no Universo ou mesmo além.

(Revista A FIGUEIRA, 1998, página 06)



sábado, 8 de novembro de 2014

GRANDES TROVADORES


GRANDES TROVADORES

Brigar com gente de saia,
foi coisa que eu nunca fiz,
é puro rabo de arraia,
padre, mulher e juiz.
Arlindo Nóbrega

Duas vidas todos temos,
- muitas vezes, sem saber...
- a vida que nós vivemos
E a que sonhamos viver...
Luiz Otávio

Quando eu morrer, levo à cova
Dentro do meu coração,
O suspiro de uma trova,
E o gemer de um violão.
Adelmar Tavares

Estudo trovas a fundo,
Mas persisto na suspeita,
Que a trova melhor do mundo
Até hoje não foi feita.
Miguel Russowsky






sexta-feira, 7 de novembro de 2014

GRANDES TROVADORES

GRANDES TROVADORES

No meio de tanta treva,
Quem sabe amar pode crer.
- A fé é a força que eleva
- A crença é a luz que faz ver.
Mário Barreto França

Lá se vão os retirantes!
deixam seus campos... seus bois...
- o coração morre antes!
- o corpo morre depois...
Aparício Fernandes

O meu destino se encerra
num grave e eterno conflito:
- meu corpo é feito de terra,
- meu coração, de infinito.
Eno Theodoro Wanke

Lei que é honesta, não susta
o seu castigo aos velhacos.
- Qualquer lei se torna injusta
quando só se aplica aos fracos.

Walter Wayne