quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

CRÔNICA DE FIM DE ANO

CRÔNICA DE FIM DE ANO 

Filemon F. Martins 



Fim de ano. Dia 31 de dezembro. Última folha. Último suspiro. Fim de muitos sonhos. E o começo de muitos outros... O sol se põe. Seus raios, por entre as nuvens, vão esparzindo tinta e pintando esse quadro magnífico e deslumbrante, que até a pobre visão humana fica extasiada diante de tanta beleza. Poetas e pintores buscam inspiração para seus versos e quadros nesta tela gigantesca que a natureza cria para embelezar o Planeta Terra. 
Finda-se o ano de 2014. O momento é de reflexão. É tempo de avaliação. 2014 foi um ano conturbado. Muitos políticos, administradores e empresários não honraram seus compromissos para com suas famílias e especialmente perante a sociedade brasileira. Deverão responder pelos seus crimes diante dos tribunais. É tempo de mudança. É tempo de se fazer um exame introspectivo. Há um preceito bíblico firmado para todos nós: “Cada um dará conta de si mesmo a Deus.” Não há como fugirmos do Tribunal Divino. Daí a importância deste balanço. É necessário, portanto, que se façam as contas com rigor, com precisão matemática, a fim de que possamos saber se temos débito ou crédito. E se estivermos em débito, busquemos, então, através de nosso interior, mecanismos capazes para quitar nossa dívida. Reexaminemos nossas consciências, mudemos nossas atitudes, de tal forma que nossos sentimentos sejam positivos. Sejamos mais leais, honestos e coerentes com nossos semelhantes, com nossos amigos, com nossos companheiros de jornada, tornando-nos mais sinceros, solidários e compreensivos nos momentos incertos da existência. 
Sabemos que tudo se transforma. Também o ser humano com seus defeitos e limitações. Mas o ensinamento de Cristo é eterno. E mais uma vez, surge à nossa frente, a alegria de um Ano Novo. Uma nova aurora. Uma cantata de esperança, de renovação, de atitudes positivas. Um Novo Ano resplendente de luz, com novos cânticos e novos sonhos. Que as venturas advindas do Amor, da Paz e da Fraternidade venham nos fazer melhores criaturas em 2015. Que ao limiar do Ano Novo reine em todos os lares o AMOR DE CRISTO e que possamos, entrelaçados pela fé, parodiar o salmista palestino, quando disse: “ ENSINA-NOS A CONTAR OS NOSSOS DIAS, DE TAL MANEIRA QUE ALCANCEMOS CORAÇÕES SÁBIOS.” ( Salmos 90:12) 
Que brilhe agora e sempre a ESTRELA DE BELÉM – JESUS! NOSSO GUIA, NOSSA PAZ E NOSSA LUZ. E ENSINA-NOS, SENHOR, A AMAR DEMAIS! 
FELIZ 2015! 

filemon.martins@uol.com.br 

Caixa Postal 64 
11740-970 – Itanhaém – SP.


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

Produzido pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Rio de Janeiro, e lançado em São Paulo o livro SONETOS E TROVAS, (de Filemon F. Martins) com 71 sonetos, 96 trovas, 10 escadas de trovas e 4 grinaldas de trovas, com 122 páginas e a garantia de excelente leitura.

Desejando obter um exemplar, com dedicatória personalizada, envie seu endereço e R$ 30,00 em cheque nominal cruzado ou vale postal, em nome de Filemon Francisco Martins para a caixa postal 64 - Itanhaém – SP, CEP 11740 – 970. Ou entre em contato com o autor através do e-mail filemon.martins@uol.com.br




sábado, 27 de dezembro de 2014

SAUDAÇÃO DE NATAL (JOSÉ BRITTO BARROS)

S A U D A Ç Ã O    DE   N A T A L
         José Britto Barros

AMIGOS,  MESMO  DISTANTE,
DE VÓS ESTOU BEM LEMBRADO
E A VOS DESEJAR CONSTANTE
AS BÊNÇÃOS  DO  PAI  AMADO,

LEMBRO DE OUTRORA OS ENCONTROS
E  DISSO  TENHO   S A U D A D E.
MEUS OLHOS QUE JÁ ESTÃO PRONTOS
CHORAM  DE   F E L I C I D A D E...

EU  CHORO  SIM, SOU  DITOSO
PORQUE  DE  VÓS  SOU  AMIGO,
ISSO  ME  DÁ  MUITO  GOZO
E  ENTRO  DO  AMOR  NO  ABRIGO.

VIVO  AGORA  DE  LEMBRANÇAS
E  SOU  FELIZ  TAL  FAZENDO,
MANTENHO  VIVA  A  ESPERANÇA
E  PERMANEÇO   ESCREVENDO.

RECEBAM  MEU  GRANDE  ABRAÇO         
E  AS  MINHAS  PRECES  POR  VÓS,
COM  MUITO  AMOR  ISTO  FAÇO,
PROTEJA , DEUS  T0DOS  NÓS!
      Pastor Britto  
Salvador, 25 de dezembro de 2014





sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

ESTE NOVO NATAL (EVANDRO MOREIRA)

ESTE NOVO NATAL
Evandro Moreira

É dezembro outra vez... O tempo, repentino,
acumulou-se sobre a minha mocidade;
lavou a minha face inquieta de menino
com restos de esperança e sombras de saudade.

Descubro que não tenho, à frente, mais destino
nem sequer a ambição de achar felicidade;
e me consolo ao ver, no filho pequenino,
germinar, como herança, a antiga ingenuidade.

É dezembro outra vez... é Natal! E as crianças
cantando ao meu redor confessam esperanças
de uma noite encantada e presentes gentis.

Sinto-me rei, e Mago em constante oferenda,
voz de sinos, canção antiga em tom de lenda,
e volto a ser menino... E torno a ser feliz.

(I CONCURSO NORTE-FLUMINENSE DE SONETOS, PÁGINA 9)


quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

NATAL (CÉLIO GRUNEWALD)

NATAL
Célio Grunewald (Juiz de Fora)

Surge o Natal e no bater do sino
nossa alma em festa em aleluia canta.
Nasceu Jesus, nasceu o Deus Menino
na solidão da manjedoura santa!

Surge o Natal! Há pelos céus um hino
cheio de amor que há todos nos encanta
e que bonito, esplêndido e divino,
nos brota, embevecido, da garganta!

Surge o Natal! Na comunhão dos povos
hão de surgir os horizontes novos
repletos de ternura, amor e luz.

Surge o Natal! Que paz existe agora.
Pois neste instante a gente comemora
o doce aniversário de Jesus!...


(I CONCURSO NORTE-FLUMINENSE DE SONETOS, PÁGINA 8)

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

O NASCIMENTO DE CRISTO (CARLOS GUIMARÃES)

O NASCIMENTO DE CRISTO
Carlos Guimarães

Na gruta em que Maria achou, enfim, abrigo
e onde José, paciente, a manjedoura armara,
um burro sonolento e um boi de olhar amigo
assistem, calmamente, àquela cena rara:

Um Deus descer à Terra! E a madrugada clara
é toda riso e festa: o feno, a rosa, o trigo,
a ovelha, o inseto, a lua, a Estrela, tudo para,
feliz ao ver cumprido o vaticínio antigo!

E o Deus feito menino aceita as honrarias:
pastores a adorá-lo, arcanjos a cantar
e Reis que vêm de longe em ricas montarias...

Cumprida a profecia, após tão longa espera,
o Natal do Menino irá, por fim, marcar
para sempre, na História, a aurora de uma Era!


(I CONCURSO NORTE-FLUMINENSE DE SONETOS, PÁGINA 7)

domingo, 21 de dezembro de 2014

VIAGEM IMAGINÁRIA (JERRY FILHO)

VIAGEM IMAGINÁRIA
Jerry Filho

Ao contemplar o espaço, o firmamento,
percebo quantas luzes a brilhar...
Quisera aproximar por um momento
quem sabe a imensidade conquistar.

Quisera receber consentimento,
fazer essa viagem modelar
ou mesmo conseguir asas do vento
e mui feliz no espaço cavalgar.

Assim a inspiração que venho tendo
por certo aumentaria no Infinito,
findando as mágoas desse ser aflito.

Mas sei que não consigo e vou vivendo
cada vez mais distante das estrelas,
sentindo-me feliz somente em vê-las.


(QUINTA ANTOLOGIA POÉTICA DE A FIGUEIRA, PÁGINA 77)

sábado, 20 de dezembro de 2014

RENASCER COM CRISTO (ALUÍSIO BEZERRA)

RENASCER COM CRISTO
Aluísio Bezerra

Nem no Natal, suspenso no meu trono
de orgulho, de egoísmo e de vileza,
eu paro pra pensar nesta fraqueza,
mergulhado, que vivo, no meu sono.

Pois face ao meu viver em desabono,
aos males sensuais da natureza,
vou esquecer, com tanta malvadeza,
da festa o pequenino e humilde Dono.

Darei, neste Natal, ao Deus Infante,
tão esquecido aniversariante,
o presente mais certo e desejado:

- Fazer que a minha vida se transforme,
ser Homem Novo, de um fervor enorme,
que renasce com Cristo Humanizado.


(COLETÂNEA O TEMA É NATAL, CAMPOS, RJ, 1981, PÁGINA 33)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

SONETO DE NATAL

SONETO DE NATAL
Filemon F. Martins



O sol já se escondia e a noite já chegava
nas cercanias de Belém, já preparada
para o senso que o rei ali realizava,
e por isso a cidade estava tão lotada.

Não havia mais lugar, a noite já passava...
José estava tenso e Maria preocupada...
Somente a tosca estrebaria os esperava,
pois ali nasceria a criança desejada.

O céu da antiga Palestina iluminou-se
nasceu o Redentor que humilde à terra trouxe
a mensagem de Paz, Amor e de Esperança.

Quando chega o Natal, de luz eu me ilumino
e volto a ser feliz como outrora um menino,
porém não voltam mais meus sonhos de criança!



NASCE JESUS (ASSIS CABRAL)

NASCE JESUS
ASSIS CABRAL


Nos céus surge um clarão. Nos céus da Palestina
com miríades de sóis e estrelas aos milhares
brilhando sobre a terra, enchendo os puros ares,
de um fulgor que se esparge ao vale e na campina.

Ao redor de Belém, eis tudo se ilumina.
Belém toda silêncio. Há repouso nos lares.
A gleba de Davi, entregue aos seus cismares,
vê descer sobre si a excelência divina.

Os anjos cantam glória a Deus lá nas alturas,
proclamam paz no mundo. As Santas Escrituras
cumprem-se com rigor. Aos homens raia a luz.

O arcanjo celestial, numa expressão tão bela,
conta o fato real. Pois, na gruta singela,
a História muda o curso – É nascido Jesus!


(I CONCURSO NORTE-FLUMINENSE DE SONETOS, PÁGINA 26)

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

PRESENTE NATALINO (J. CABRAL SOBRINHO)

PRESENTE NATALINO
J. Cabral Sobrinho

Neste Natal, mamãe, o meu presente,
guardado por você no longo espaço
do tempo inútil que me fez ausente,
quero que seja a unção do seu abraço.

Ao revê-la tranquila e sorridente,
no retorno feliz ao seu regaço,
hei de sentir a vida, novamente,
refeito das angústias do cansaço.

Por onde andei, perdi, pelos caminhos,
o tesouro de afetos e carinhos
de que dispunha, estando à sua volta,

Já não sou o mesmo da partida;
trago o cansaço e a fronte encanecida,
tal qual um “filho pródigo” que volta.


(COLETÂNEA O TEMA É NATAL, INSTITUTO CAMPISTA DE LITERATURA, PÁGINA 14) 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

AINDA O NATAL

AINDA O NATAL
Filemon F. Martins



Da bela Nazaré partiram com destino
a histórica Belém. Iriam se alistar,
que o decreto exigia a todo peregrino,
por isso o povo não parava de chegar.

Aproximava a noite... Um vento muito fino
soprava por Belém lotada e sem lugar.
Na estrebaria, porém, nasceu o Deus Menino
para que o mundo vil pudesse se salvar.

Pouco tempo passou e após trinta e três anos
o povo enfurecido e envolto em seus enganos
crucificou Jesus – tamanha ingratidão!

E pregado na cruz, pior cena do mundo,
o povo foi ingrato, insano, louco e imundo,
- não aceitou a paz divina do Perdão!





domingo, 14 de dezembro de 2014

NOITE DE NATAL (JOÃO HENRIQUES DA SILVA)

NOITE DE NATAL
João Henriques da Silva

O palacete em festa!... Noite de Natal!...
As vidas, esquecendo a verdadeira vida,
abusam tanto da comida e da bebida,
que mais parece um animado carnaval!

Passam horas! Do amor fraterno, nem sinal!...
No casebre ao lado, entre roupas encardidas,
pobre mulher vai dando ida a outra vida.
No palacete, continua o festival.

O amor ao próximo dali passa distante,
e ninguém se lembra do Aniversariante
que veio ao mundo para combater o mal.

Lá no casebre, surge a luz resplandecente,
porque é ali em que Jesus está presente...
- No palacete, deve estar o seu rival.


(A FIGUEIRA, 2001, PÁGINA 01)

sábado, 13 de dezembro de 2014

NATAL/natal (Jerry Filho)

NATAL/natal
Jerry Filho

Tanta gente na Vila, no Arraial,
pelas periferias da cidade,
que sofre fome e sede, passa mal,
mas festeja o NATAL da Cristandade...

Gente que diz ser forte e maioral,
senhora do poder, da humanidade,
faz banquetes na festa de Natal,
mas se esquece que o Cristo é humildade...

Nos casebres humildes nessa festa
o CRISTO VIVO ali se manifesta
e consagra o Natal, Verdade e Luz!

Nos locais onde as festas são marcantes,
homens ilustres, trajes importantes,
não há NATAL... há festa sem Jesus!


(A FIGUEIRA, 1999, página 01)

ANUNCIANDO O NATAL (VERA MARIA VIANA BORGES)

ANUNCIANDO O NATAL
Vera Maria Viana Borges

Para Maria um anjo vem dizer:
Salve ó cheia de graça, tu és bendita,
Do teu ventre o Messias vai nascer!
Surpresa fica a Virgem com a visita.

O Espírito de Deus, santo poder,
Far-te-á Mãe de Jesus. E ela contrita:
Sou serva do Senhor e quero ser
Belo templo e morada. Vem e habita.

Indo recensear-se, Ela e José,
A data a aproximar pra dar à luz.
Para Belém partiu de Nazaré.

Brilhante estrela surge em negros véus
Anunciando a vinda de Jesus.
Glória a Deus no mais alto destes céus!


(A FIGUEIRA, 1994, página 01)

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

NATAL (OLAVO BILAC)

Natal

Olavo Bilac

No ermo agreste, da noite e do presepe, um hino
De esperança pressaga enchia o céu, com o vento...
As árvores: "Serás o sol e o orvalho!" E o armento:
"Terás a glória!" E o luar: "Vencerás o destino!"

E o pão: "Darás o pão da terra e o pão divino!"
E a água: "Trarás alívio ao mártir e ao sedento!"
E a palha: "Dobrarás a cerviz do opulento!"
E o teto: "Elevarás do opróbrio o pequenino!"

E os reis: "Rei, no teu reino, entrarás entre palmas!"
E os pastores: "Pastor, chamarás os eleitos!"
E a estrela: "Brilharás, como Deus, sobre as almas!"

Muda e humilde, porém, Maria, como escrava,
Tinha os olhos na terra em lágrimas desfeitos:
Sendo pobre, temia; e, sendo mãe, chorava.



quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

NATAL (LUIZ EDMUNDO)

NATAL
LUIZ EDMUNDO

Cala-se o mundo, há um lugar de místicos palores,
O vento lembra uma harpa a tocar de surdina.
Brilha pela extensão do céu da Palestina
Num prenúncio feliz, a estrela dos pastores.

A vida acorda e vem do cálice das flores
À alma do homem que sente um fulgor que o fascina.
A ovelha bala, o boi muge, o pastor se inclina,
Há um bálsamo por tudo a amenizar as dores.

Jesus nasceu: a fé que os corações ampara,
Desce às almas, buscando os íntimos refolhos
Como os raios de sol numa lagoa clara.

Maria, porque vê Jesus pequeno e langue,
Põe um riso feliz na doçura dos olhos,
Que hão de chorar, depois, as lágrimas de sangue.

(Coletânea O NATAL DE CRISTO, PÁGINA 49)


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

NOVO NATAL

NOVO NATAL
Filemon F. Martins


Quando a Estrela brilhou na Palestina
parando na cidade de Belém,
a terra, afortunada, se ilumina
porque nasceu Jesus, o Sumo Bem.

Cumprida a predição que nos ensina
novo tempo de Amor, sorrindo, além,
pois nasceu da Promessa, a sã doutrina
que nos garante a Paz, como convém.

O exemplo de Humildade é tão profundo,
que a vida se refaz em primavera
e traz mais Esperança para o mundo.

Anjos em revoada... O Deus menino
desceu à terra e trouxe a nova Era
para mudar, dos homens, o destino!



terça-feira, 9 de dezembro de 2014

TROVAS ESCOLHIDAS

TROVAS ESCOLHIDAS – 2015

É nos grandes desafios,
quando penso estar sozinho,
que Deus faz luz nos pavios
pra clarear meu caminho.
       F. Pessoa – Fortaleza

Arranhavam feito espinho,
mas me lembro e o pranto cai...
Como era doce o carinho
das mãos rudes do meu pai!
       Pedro Ornellas – São Paulo

Ser livre é poder sonhar
dominando o pensamento.
Um sonho nos faz lembrar
da vida o melhor momento!
       Carlos Henrique Furtado – Cantagalo – RJ

De manhã, sinto o perfume
das flores no meu jardim,
e um beija-flor – que ciúme,
chegou bem antes de mim.

       Filemon F. Martins – Itanhaém – SP.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

NESTE NATAL



NESTE NATAL
Filemon F. Martins


Natal. Tempo de Amor e de Bonança,
Jesus nasceu cumprindo a Profecia,
e toda a Terra cheia de Esperança
O recebeu com honras e alegria.

O Príncipe da Paz e da Aliança
que à Humanidade o amor transmitiria,
foi condenado à morte por vingança
dos fariseus com toda a hipocrisia.

Porém o amor venceu, correu o Mundo
no sentido mais amplo e mais profundo,
e pela fé, salvou, na rude cruz.

Neste Natal de Paz e de Ternura,
eu sinto dentro d’alma essa Ventura
que sorri no aconchego de Jesus!

 


domingo, 7 de dezembro de 2014

TROVAS DE NATAL

TROVAS DE NATAL
Filemon F. Martins

É Natal! Nossa Esperança
de ser bom, fazer o bem,
nasce com aquela criança
na manjedoura em Belém.

Natal! Em graça e oferenda
nasceu Jesus em Belém.
A Fé cristã recomenda
no mundo fazer o bem.

Naquela Noite festiva
que Deus menino nasceu,
toda a Terra rediviva
o Sumo Bem conheceu.

Grande lição de Humildade
vem daquela estrebaria.
Natal da Boa Vontade

trazendo paz e alegria.

sábado, 6 de dezembro de 2014

NATAL E VIDA

NATAL E VIDA
Filemon F. Martins

Natal, sempre nos diz o calendário:
Jesus nasceu na gruta de Belém,
depois Jerusalém foi o cenário
que O condenou à cruz, Supremo Bem.

O drama desumano do calvário,
- a mensagem de fé para os que creem,
mas o mundo insensato e perdulário
rejeitou a Paz, que da cruz provém.

O menino nasceu e veio ao mundo
para trazer a Paz, o Amor profundo
aos corações humildes, sem vaidade!

“Pois aquele que em vida, crê em mim,
mesmo que esteja morto, ainda assim,
comigo viverá na Eternidade”!