quarta-feira, 5 de novembro de 2014

TROVAS DE CARLOS RIBEIRO ROCHA

TROVAS DE CARLOS RIBEIRO ROCHA

Risque o ódio, companheiro,
mesmo o de graves momentos,
coração não é lixeiro
de guardar ressentimentos.

Trova às vezes é mulher
com muito amor e paixão,
minha andorinha que quer
sozinha fazer verão.

Por certo sou um “banzai”
de homem cá do Sertão,
porém, de minha alma sai
a trova que é um trovão.

Em minha vida, uma briga
acontece, de alto porte:
É o azar fazendo intriga
para não dar vez à sorte.


(Do livro 28 SONS - TROVAS)

Nenhum comentário: