terça-feira, 26 de julho de 2011

ESCREVER


            Artur da Távola

Escrever é sina, espanto e faina
amor, afã de tenaz faxina.
Palavra por no que é paina
luz dar a penas ao que ilumina.

Estruma a estrofe dor que suponho
verbo assassino. O poema é mortal.
O verso se esforça, soa bisonho,
quer transcender o idioma banal.

Nutrir-se do mal que o arruína,
banir e amar o impulso medonho.
Verbal é o mel que o determina.

Inscrita na frase do vate tristonho
implode no estro a ilusão cristalina
de ser e estar onde me sonho.

Nenhum comentário: