sábado, 21 de maio de 2011

ORVALHO MÚTUO

ORVALHO MÚTUO

Como algas // Desgarradas
No silêncio desfila // E propaga
O hábito, o mito // Desdito
Que a pele estala // No hálito do prazer
Acende a pupila // E regala-se
E cala // Subitamente
Minúcia das fibras // Tão alvas
No tempo // Incerto
Fração irredutível // E extremosa
De serem // Um futuro...

Miguel / Luiza

Um comentário:

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Luiza fez um dueto muito bom, essa poeta é fantástica!
Obrigado por nos trazer, caro Filemon.