sexta-feira, 27 de maio de 2011

TROVAS

TROVAS.48 (saudade)

        Filemon F. Martins

Saudade é sempre dorida
quando se perde um amor;
é como a folha caída,
que na terra perde a cor.

Saudade não se previne,
nasce assim no coração;
pois o amor não se define,
nem aceita imposição.

Saudade nasce no peito
e quando menos se espera,
ela cresce de tal jeito,
que acaba virando fera.

Essa vilã, a saudade
de mansinho vai chegando...
E sem fazer muito alarde
aos poucos vai nos matando.

filemon.martins@hotmail.com

Caixa Postal 64
11740-970- Itanhaém – SP.

Nenhum comentário: