domingo, 2 de outubro de 2011

TROVAS DE CARLOS GUIMARÃES

TROVAS DE CARLOS GUIMARÃES

01
Meu lenço, na despedida,
tu não viste, em movimento:
lenço molhado, querida,
não pode agitar-se ao vento.
02
Desfaz-se a flor, mas no galho
deixa em pétala singela
uma lágrima de orvalho
que a noite chorou por ela.
03
Na festa do teu regresso,
desculpa o que eu te disser
e perdoa todo o excesso
dos carinhos que eu te der!...
04
Esta aflição que me invade
e esta dor que me consome,
não creio sejam saudade:
- devem ter um outro nome.


(Por instrumentalidade de Pedro Ornellas via e-mail para o blog do Filemon)

Nenhum comentário: