segunda-feira, 7 de novembro de 2011

APLAUSO

APLAUSO

MIGUEL EDUARDO GONÇALVES

No salto do tempo
Personalíssimo
Senta-se o silêncio
Efêmero, contido
Em taça
Doce amante
Se farta
Como o som
De um soneto
Naquelas noites raras
Em que escassa a luz
E a intimidade aviva
Quando já é manhã.

(Transcrito do site www.usinadeletras.com.br)

Nenhum comentário: