sábado, 24 de março de 2012

GRANDE VÔO

             GRANDE VÔO



                    VANDA FAGUNDES QUEIROZ



Ao contemplar na plácida amplidão

a ave pequena em leve trajetória,

penso em mim mesma e na limitação

da vida humana confinada e inglória.



Neste cotejo, mostra-me a ilusão

desigualdade autêntica e notória.

E tanto amarga tal comparação,

que sinto aflita esta alma merencória.



- Eu bem quisera da ave ter a sorte

e dominar,  liberta, a imensidade!...

Talvez, porém, não seja assim tão forte



ou tão segura – eis que me volta o tino:

Embora alcance plena liberdade,

retorna sempre ao ninho pequenino.



(Do livro “Conversa Calada”, página 35)


Nenhum comentário: