segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

POEMA DE NATAL


Poema de Natal

J.T. Parreira

 

No átrio do mundo

no fim do silêncio

uma casa em ruínas assomada do breu

Em corpos erguidos do sono

os pastores

tudo suspenso da clara resposta do Céu

ainda os magos no bojo

de um astro subiram

no silêncio da cor a rota dos céus

- demandavam no átrio do mundo

numa casa em ruínas

a Imagem-menina de Deus.

 

Do livro Este Rosto do Exílio (1973)

(A POESIA DO NATAL-ANTOLOGIA-ORG. DE SAMMIS REACHERS-RJ)

Nenhum comentário: