segunda-feira, 13 de maio de 2013


       MINHA MÃE
             Marina Tricânico
 
Fui e sou, para alguém, perfeita e bela,
tenho tudo que a vida pode dar.
Sou frágil sempre, criança, para ela,
ela que é boa e tanto sabe amar.
 
Todo esse amor de santa, é luz que vela
meus passos nesta vida, a caminhar.
E onde quer que eu me volte, os olhos dela
são ternos, vigilantes, a me olhar.
 
E quando tenho a sua companhia,
é como se mil anjos me cercassem,
dando-me aquilo tudo que eu queria!
 
Ah, quando chega, de beijá-la, a vez,
sinto como se pássaros cantassem
o doce nome seu: Maria Inês...
 
(Anuário de Poetas do Brasil, 1º volume, 1982, página 343, org. de Aparício Fernandes-RJ)

Nenhum comentário: