quarta-feira, 11 de setembro de 2013

SONETO DE CASTRO ALVES

SONETO DE CASTRO ALVES (1847/1871)

Se houvesse ainda talismã bendito
que desse ao pântano – a corrente pura,
musgo ao rochedo, festa – à sepultura,
das águias negras – harmonia ao grito...

Se alguém pudesse ao infeliz precito
dar lugar no banquete da ventura...
E tocar-lhe o velar da insônia escura
no poema dos beijos – infinito...

Certo... serias tu, donzela casta,
quem me tomasse em meio do Calvário
a cruz de angústias que o meu ser arrasta!...

Mas, se tudo recusa-me o fadário,
na hora de expirar, ó Dulce, basta

morrer beijando a cruz de teu rosário!...

Nenhum comentário: