terça-feira, 29 de outubro de 2013

MEDO DAS TREVAS (MÁRIO RIBEIRO MARTINS)

MEDO DAS TREVAS
Mário Ribeiro Martins

Nos dolentes caminhos desta vida, 
parei chorosamente pra pensar: 
vi o passado - que grande ferida! 
vi o presente - que tempo vulgar!
 
Com quase a minha fé desfalecida, 
desvendei o futuro a me acenar: 
contemplei minha nau quase perdida, 
do encapelado mar se retirar.
 
Encosta, encosta, encosta foi meu brado. 
Quando saiu meu grito desvairado, 
a nau chegou ao cais lá no porvir.
 
Que tremenda visão eu tive agora! 
Que sonho! Que beleza! Amável hora, 
pois acordei morrendo de sorrir.


(www.usinadeletras.com.br)

Nenhum comentário: