quarta-feira, 30 de abril de 2014

O NASCIMENTO DE UM SONETO

O NASCIMENTO DE UM SONETO
Filemon F. Martins 


Sábado à tarde, sopra forte o vento, 
o céu promete um belo temporal, 
concentro no papel o pensamento, 
quero escrever um verso original. 

Procuro em vão conciliar o tempo, 
a inspiração não vem, é mau sinal. 
- Onde andará a musa no momento? 
Mas a chuva é que vem torrencial. 

Busco a palavra e o verbo se evapora, 
faço rabiscos, leio e jogo fora, 
que a poesia fugiu e não voltou. 

As horas passam; vejo da janela 
que a lua surge radiante e bela, 
e agora meu soneto terminou!

Caixa Postal 64

11740 – 970 – Itanhaém – SP. 

Nenhum comentário: