terça-feira, 17 de junho de 2014

ARTEPURA (JÔ TAUIL)

ARTEPURA 
(para ti, poeta)
Maria José Zanini Tauil (MJZTAUIL)


Distancia-se
dos chamados das ruas
escreve compulsivamente
...e sonha
...........

Sua inspiração,
brota no sossego
do doce aconchego
onde cozinha palavras
..........................

Costura, 
lima, 
serra,
trabalha...
sua...
............

Da sensualidade latente,
(tão própria do poeta)
disfarça o emprego
para que, com esforço
se construa 
a trama dos sentimentos
..................

E modela,
esculpe,
pincela a musa nua
bela, sóbria, imponente
qual uma coluna grega
..............

Pronta a obra,
publica seu poema
sem mostrar
a fábrica de suplício,
..................................

Restos de tijolos poéticos
argamassa,
nem tintas ficam evidentes

.......
Natural que o efeito agrade!
Ninguém sequer lembra
dos andaimes do edifício!
....................

Meu poeta!
Construtor da sua verdade
ARTEPURA!
inimiga de artifícios!
.......

Seu poema
traz a força do seu amor
e da sua simplicidade!


(www.prefacio.net)

Nenhum comentário: