sexta-feira, 5 de setembro de 2014

DESPEDIDA (Belmiro Ferreira)

DESPEDIDA

Belmiro Ferreira

Tímidos, a tremer, nos despedimos,
Um pesar n'alma nossa sufocando.
Teus olhos negros vi quase chorando...
E mudos, tal dois cegos, persistimos.

Horas mortais se aproximando vimos,
À despedida lúgubre levando
Nossos seres de dor agonizando,
Neste mundo esquecidos, sem arrimos.

Um aperto de mão, e te ausentas...
Olhos mortos, e flébil', e calada...
A senda do desterro só enfrentas.

Com a vista de lágrimas banhada,
Vejo-te ir-te, em passadas muito lentas,
E dobrar, sem adeus, a curva da estrada.


(JORNAL LITERARTE, AGOSTO/2014, EDITADO POR ARLINDO NÓBREGA)

Nenhum comentário: