segunda-feira, 6 de outubro de 2014

TEMPOS DUROS (MURILO MENDES)

Tempos Duros

Murilo Mendes (Brasil 1901 – 1975)

A aurora desce a viseira:
O monumento ao deserdado desconhecido
Acorda coberto de sangue.
O mar furioso devolve à praia
Alianças de casamento dos torpedeados
E a fotografia de um assassino,
Aos cinco anos – inocente – num velocípede.
Alguém parte o pão dos pássaros.
O ar espesso entre os sinos
Empurra o espanto das árvores.
Longas filas de homens e crianças
Caminham pelas mornas avenidas
Em busca de ração de sal, azeite e ódio.
E a morte vem recolher
A parte de lucidez
Que durante tanto tempo
Escondera sob os véus.

SEGUNDA GUERRA
MUNDIAL
Uma Antologia Poética

Organização, seleção, edição e notas de
Sammis Reachers


2014

Nenhum comentário: