terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

TROVAS - CHUVAS DE VERSOS, 352

TROVAS – CHUVA DE VERSOS 352

Em nosso adeus, quando eu disse:
"não há dor que não se abrande",
nem pensava que existisse
uma saudade tão grande...
Otávio Venturelli

Silêncio, prova eloquente
de desdém, de desamor.
Quem ama faz-se presente
numa carta, numa flor...
Otoniel Beleza

Feliz quem parte da vida,
humilde, nada levando,
porém, em contrapartida,
muitas saudades deixando.
Onésio da Mota Cortez

(FONTE CHUVA DE VERSOS, 352-JOSÉ FELDMAN)








Nenhum comentário: