sexta-feira, 20 de março de 2015

GLOSANDO MIGUEL RUSSOWSKY (NEMÉSIO PRATA)



Glosando Miguel Russowsky (Joaçaba/SC)
Nemésio Prata

Mote:
O silêncio às vezes fala
de saudades - Quem diria...
quando a rede, a sós, se embala
numa varanda vazia!

Glosa:
O silêncio às vezes fala
tão audível que enternece
o meu coração; que cala
para ouvir a sua prece!

Ao encher o coração
de saudades - Quem diria...
aguço a minha audição
para ouvir sua eufonia!

A saudade, "quinem" bala,
me mata, pensando nela,
quando a rede, a sós, se embala
sem ter nós dois dentro dela!

Em silêncio, no meu peito
ouço a voz da ventania
embalando a rede..., e deito...
numa varanda vazia!


(ALMANAQUE CHUVA DE VERSOS Nº 387, JOSÉ FELDMAN) 

Nenhum comentário: