terça-feira, 10 de março de 2015

SEMPRE (JOÃO BATISTA XAVIER OLIVEIRA)

SEMPRE
João Batista Xavier Oliveira

Quando partiste para a eternidade
eu não sabia que doía tanto
tua presença na minha saudade;
o teu semblante calmo em cada canto...

O amor que existe neste lar portanto
ficou maior dentro de mim, verdade.
Meu coração cresceu e por encanto
enfrento só... a triste realidade!

As minhas mãos vazias sem o tato
dos teus carinhos, roçam o retrato,
por ironia sempre sorridente...

E em cada canto o riso da esperança
leva-me a ti o que o olhar alcança:
os teus objetos: nosso eternamente!!


(ALMANAQUE CHUVA DE VERSOS Nº 374 )

Nenhum comentário: