quarta-feira, 18 de março de 2015

VAMOS ARRUMAR O BRASIL (CARLOS CAVALCANTE)

"Vamos arrumar o Brasil!
Texto de Carlos Cavalcante – G+


O dia 15 de março de 1985 marca o fim de 21 anos de ditadura, com a posse de José Sarney como presidente da república. Cinco anos antes foi fundado o PT, dentro de uma escola particular católica em São Paulo, com uma proposta muito clara de lutar “contra as oligarquias e a corrupção”. Em 2002 o PT chegou ao poder depois de três tentativas frustradas (contra Collor e duas vezes contra Fernando Henrique). Nas quatro eleições (nas três em que perdeu e na que ganhou, contra José Serra) eu não apenas votei no lula. Eu fiz campanha. E apoiei o governo até o mensalão. Naquele momento ficou muito claro, para mim, o envolvimento do lula (com minúsculas mesmo) com a corrupção.
De lá para cá foi só a confirmação de que partido tinha mudado de lado. O PT que iria combater as oligarquias e a corrupção se aliou com os piores nomes da política e das oligarquias brasileiras: José Sarney, Renan Calheiros, Jáder Barbalho, Paulo Maluf, Collor, Delfim Neto... e organizou um verdadeiro assalto organizado às empresas públicas: Petrobras, Banco do Brasil, Fundos de pensão das estatais, numa escala nunca antes vista na nossa história e que faz Maluf e Collor parecerem dois principiantes da corrupção. De um partido que “mobilizava as massas”, passou a pagar para seus militantes participarem de passeatas e manifestações... Meus amigos que embora tenham vergonha de se dizerem petistas continuam defendendo e justificando as ações do partido dizem que eu “mudei de lado”. Eu continuo do mesmo lado, combatendo as oligarquias e a corrupção. Quem mudou de lado foi o PT, que foi perdendo dia após dia, ano após ano, todos os seus militantes da primeira hora.
O dia 15 de março de 2015 entra na história do Brasil como aquele onde, num só dia, mais de 2 milhões de brasileiros foram às ruas protestar. Alguns vão continuar cegos e surdos a voz das ruas. Vão contar os metros da avenida paulista, vão desqualificar os manifestantes. Vão tentar se convencer que estas 2 milhões de pessoas são fantasmas mas não vão conseguir explicar suas incoerências. Acham que os manifestantes são golpistas, mas não conseguem explicar porque o “fora FHC” não era golpismo. Vão falar de discutir a "reforma política", mas praticam oficialmente o discurso do ódio. Existem radicais que pedem “intervenção militar”, mas são pessoas isoladas, uma gritante minoria nas manifestações anti-PT. Já o discurso do ódio do PT é oficial. É o ex-presidente lula quem conclama o exército de Stédile para ir as ruas, foi a campanha de Dilma quem atacou violentamente Marina e Aécio. O que só estimula seus seguidores a reproduzirem este discurso histérico nas redes sociais.
Acho pouco provável que o partido consiga fazer uma autocrítica. Falta humildade, generosidade e grandiosidade a seus líderes para isso. Mas não custa nada lembrar o que disse a Alba Zaluar: “ou o PT acaba com a mentira ou a mentira acaba com o PT”. Pelo discurso de Dilma e seus ministros, e pela história e trajetória de lula, tudo indica que a mentira e a corrupção vão acabar mesmo com o PT.
Triste fim.
Como nos lembra muito bem Carlos Nepomuceno, “Quem inventou o PT foi a classe média e será ela que vai acabar com ele”.







Nenhum comentário: