terça-feira, 28 de abril de 2015

FARRAPO HUMANO (ARY FRANCO)

FARRAPO HUMANO
Ary Franco (O Poeta Descalço)

Numa noite passada, estava calibrando os pneus do meu carro, quando vejo um homem andrajoso, barba e cabelos longos, sorvendo etanol de uma das bombas abastecedoras. Gritei estarrecido para os empregados do posto, apontando o inusitado da cena.
Um deles, vendo meu espanto, veio até mim e explicou-me que era um “cachaceiro” inveterado e já conhecido na região. Sempre que não conseguia dinheiro suficiente para manter o seu vício, recorria aos postos de gasolina para beber o álcool que ficava no bico das mangueiras.
- Mas isso é veneno! Vocês não poderiam deixar!
- Moço, o irmão dele já fez de tudo para interná-lo, mas ele consegue fugir e volta pras ruas, não tem jeito!
- Só queria saber o que leva uma pessoa a descer tanto como ser humano que é...
- Bom, conta o irmão que ele perdeu o filho único e a mulher, num acidente de carro, quando dirigia. Perdeu uma perna no acidente e quando teve alta médica no hospital, ficou pelas ruas sabendo que esposa e filho já tinham sido sepultados. Largou o emprego e não voltou pra casa, abandonando tudo. Já tem um ano que aconteceu o acidente e nem sei como ele ainda está vivo!
Fiquei chocado, vendo aquele homem se afastando sem tomar conhecimento da chuva que caía. Pedi ao rapaz uma folha de papel em branco e ganhei do Posto uma agenda de brinde. Manobrei para local mais iluminado, acendi a luz interna do carro e, com os óculos embaçados pelas lágrimas, no repente da emoção, rabisquei o seguinte poema:

Em passos lentos, sob a chuva, vai ele caminhando...
Sem abrigo e sem pressa, pro seu destino inclemente.
Voltando para sua solidão; ninguém lhe esperando...
Leva apenas consigo, seu pobre coração plangente!

Uma brisa sopra e enregela sua roupa encharcada,
Não mais do que a triste alma desse pobre coitado.
Avista uma acolhedora marquise, mas já está ocupada.
Talvez por outro excluído, mais um pobre desgraçado.

Comovente estória. Seu caminho é sem volta, só de ida.
Torce pra morte chegar, querendo acabar com sua vida.
Procurando esquecer sua desdita, abdicou da comida
E com esmolas que lhe dão, consegue comprar a bebida.

Desceu tanto que minha mão não consegue alcançar.
Impossível ajudar a quem não quer se recuperar...
Um Natal triste deverá ter esse meu irmão indigente.
Verdadeiro farrapo humano que deixou de ser gente!

Que Deus se apiede de sua alma, quando lá em cima chegar
E que ao lado de seu filho e esposa possa ele se aconchegar.
Pobre anônimo, pobre homem com seus poucos dias contados.
Sucumbiste com o peso da tua cruz e me deixaste abalado!

(Fonte: AVBAP – www.academiavirtualbrasileiraalmaartepoesia.com)




Nenhum comentário: