domingo, 12 de abril de 2015

SUBLIME AMOR (HAROLDO LYRA)

SUBLIME AMOR
Haroldo Lyra

Numa clínica, um velho procurava
Rápido curativo à mão doente.
Dizia-se apressado, que era urgente,
Pois tinha um compromisso e se atrasava.

O médico, atendendo ao paciente,
Perguntou por que tanto se apressava!
É que, num certo Asilo, costumava
Tomar café co’a esposa, já demente.

O médico ressalta: “Por descaso,
Não reclamara ela desse atraso?”
E ele: “Nem mais me reconhece, até”.

“Então! É apenas um capricho seu?”
“Oh, não! Ela não sabe quem sou eu,
Mas eu sei muito bem quem ela é”.


(ALMANAQUE CHUVA DE VERSOS Nº 396, JOSÉ FELDMAN)

Nenhum comentário: