quarta-feira, 1 de julho de 2015

GRINALDA DE TROVAS

GRINALDA DE TROVAS – AUSÊNCIA
Filemon F. Martins

E chega a noite tão bela,
o céu se torna um bordado,
e eu vejo pela janela,
céu azul, todo estrelado.

Céu azul, todo estrelado,
a brisa sopra na rua
e eu fico bem acordado,
sorrindo, ao clarão da lua.

Sorrindo, ao clarão da lua,
pensando no ser amado,
meu coração te cultua,
e o meu peito, apaixonado.

E o meu peito, apaixonado,
por teu amor se insinua.
Sou, agora, um desolado,
a chorar a ausência tua...
******
Céu azul, todo estrelado,
sorrindo, ao clarão da lua,
e o meu peito, apaixonado,
a chorar a ausência tua...

(ALMANAQUE CHUVA DE VERSOS Nº 408, JOSÉ FELDMAN)


Nenhum comentário: