domingo, 23 de agosto de 2015

TROVAS DOS JERRY (JERRY SANTOS E JERRY FILHO)

TROVAS DO JERRY (O PAI – 1926/1999)

Vendo a beleza concreta
que me apresenta uma flor,
eu penso: não sou Poeta,
Poeta é Nosso Senhor!

Nesta vida transitória,
nada vejo de valor,
pois, da terra a falsa glória,
murcha e finda como a flor.
TROVAS DO JERRY (O FILHO – IN MEMORIAM)

Chega a noite de mansinho
traz sereno, o orvalho, a lua...
E o meu leito, em desalinho,
me reclama a ausência tua.

Cada trovinha que escrevo,
muito feliz, qual um bravo,
- de quatro folhas – é trevo,
- de amores – é lindo cravo!


(A FIGUEIRA, PÁGINA 3)

Nenhum comentário: