sábado, 5 de setembro de 2015

NEVER MORE (MÁRIO RIBEIRO MARTINS)

NEVER MORE
MÁRIO RIBEIRO MARTINS

Lembro-me bem. Faz hoje um ano apenas...
Ela tocava... Tinha a cor de opala...
Às vezes parecia as açucenas
Exalando perfume em grande escala.

Inolvidáveis mãos... Leves quais penas...
O som do seu piano inda me abala...
Notas suaves... Notas bem serenas
Eram toda a beleza lá na sala.

Hoje! Não sei... Talvez mais forte e linda,
Toque melhor e muito mais ainda,
Toque a mesma canção, mas não me alcança...

Lar... Jovem... O piano recostado...
Sala... Beleza... Foram sonho alado,
Pois apenas ficaram na lembrança!

(LETRAS ANAPOLINAS, POESIA E PROSA, PÁGINA 400)


Nenhum comentário: