sábado, 5 de setembro de 2015

SONETO (JOSÉ ALBANO)

SONETO
JOSÉ ALBANO (1882/1923)

Amar é desejar o sofrimento
e contentar-se só de ter sofrido,
sem um suspiro vão, sem um gemido,
no mal mais doloroso e mais cruento.

É vagar desta vida tão isento
e deste mundo enfim tão esquecido.
É por o seu cuidar num só sentido
e todo o seu sentir num só tormento.

É nascer qual humilde carpinteiro,
de rudes pescadores rodeado,
caminhando ao suplício derradeiro.

É viver sem carinho nem agrado,
é ser enfim vendido por dinheiro,

e entre ladrões morrer crucificado.

Nenhum comentário: