quarta-feira, 21 de outubro de 2015

À IMORTALIDADE DO SONETO (J.G.DE ARAÚJO JORGE)

Não tem jeito, apesar da modernidade, o soneto continua imbatível:

À IMORTALIDADE DO SONETO

J. G. DE ARAÚJO JORGE

Soneto: como a fênix renascida
- mitológico pássaro da lenda –
no coração do poeta, a morte e a vida
ressurges em onírica legenda.

A tua forma ideal foi concebida
para servir de preito ou de oferenda;
- flor de graça e mistério, recolhida
em que “jardins suspensos”? – canto e prenda.

Permaneces de pé, imorredouro,
como uma fênix, mas de penas de ouro
que num milagre eterno se recria,

sempre cantando, sempre renascendo,
queimada, - mas os séculos vencendo –
para a glória do amor e da poesia!


(OS MAIS BELOS SONETOS QUE O AMOR INSPIROU)

Nenhum comentário: