sexta-feira, 26 de agosto de 2016

TROVAS DE DÁGUIMA VERÔNICA

TROVAS DE DÁGUIMA VERÔNICA

Ao soltar pipa, a criança
desata as peias do sonho
e acende a luz da esperança
para um futuro risonho.

Coração duro, fechado,
prenhe de angústia e rancor,
constrói cárcere privado
com grades feitas de dor.

Coração, vê se te aquieta
não bebas desse pecado,
cuidado, que ele é poeta...
não fiques apaixonado!

Da minha terra encantada
eu guardo a estação mais bela,
o canto da passarada
e os meus sonhos de janela!

Deixaste sobre o deserto
pegadas de tua andança;
o vento virá, por certo,
dissipar qualquer lembrança.


(ENCANTO DAS TROVAS, VOL. III, JOSÉ FELDMAN)

Nenhum comentário: