segunda-feira, 29 de agosto de 2016

TROVAS DE ELISA ALDERANI

TROVAS DE ELISA ALDERANI – RIBEIRÃO PRETO/SP.

A linha do trem recorda
o dia em que tu partiste.
E o meu coração acorda...
Pulsa a dor que produziste!

Amo ler, e bem escolho
no livro a mensagem certa.
O conteúdo, recolho
não deixo a mente deserta!

Boca de lobo entupida...
Só não jogam quem merece!
Sarjeta não tem saída,
vamos ver o que acontece...

Choveu forte na cidade,
Corre barro na sarjeta...
Sai do banco meu confrade,
cai... Suja toda a jaqueta...

Com linha branca costuro
o enxoval do meu menino.
Só Deus sabe seu futuro,
ao seu amor eu me inclino!


(ALMANAQUE CHUVA DE VERSOS Nº 461, JOSÉ FELDMAN)

Nenhum comentário: