quinta-feira, 15 de setembro de 2016

TROVAS DE JOÃO RANGEL COELHO

TROVAS DE João Rangel Coelho -  Juiz de Fora/MG (1897) Rio de Janeiro/RJ (1975)

A angústia que mais me aterra,
neste mundo assim medonho,
é sentir-me preso à terra,
tendo asas para o sonho.

A ausência vale, em verdade,
como teste de valor:
- mede, através da saudade,
a fibra de um grande amor!

A chuva embala quem sofre...
Quando chove como agora,
a gente abre um velho cofre,
lê velhas cartas e chora...

Aérea, fluída de gaze,
corpo volátil de essência
sua presença era quase
como se fosse uma ausência.

A justiça imaculada,
tendo no céu as raízes,
não pode ser acusada
dos erros dos maus juízes.


(ENCANTO DAS TROVAS, TOMO VI, VOL. III, JOSÉ FELDMAN)

Nenhum comentário: