segunda-feira, 7 de agosto de 2017

QUEM VAI PAGAR A CONTA?

QUEM VAI PAGAR A CONTA?

A sociedade brasileira assistiu estarrecida a um espetáculo deprimente propiciado pela Câmara dos Deputados, ao rejeitar o prosseguimento de investigação contra o presidente Michel Temer, pelo Supremo Tribunal Federal. Talvez, não desse em nada a denúncia de corrupção passiva que recaiu sobre o presidente, depois que o empresário Joesley Batista fez aquela gravação na calada da noite. Temer continua presidente, mas tudo indica que ficará refém de partidos e de políticos que usam o mandato para angariar cargos e muito dinheiro, como ocorreu agora nesta quarta-feira, dia 02 de agosto de 2017, quando o balcão de negócios, na Câmara funcionou a todo vapor.
Fala-se que o custo para o arquivamento do processo pode ter chegado a 15 bilhões de reais. É quase certo que a Procuradoria Geral da República fará outras denúncias e mais dinheiro será gasto para salvar o presidente, em nome da ética, do crescimento da economia e da estabilidade governamental. Muito estranho para um país que não tem dinheiro para investimentos na saúde, educação, segurança pública e quer fazer na marra reformas que vão agravar e retirar direitos dos trabalhadores já massacrados pela política econômica do governo. Quem pagará essa conta? Já sabemos que todos nós brasileiros.
Como pode uma reforma ser boa para o Brasil e para os trabalhadores, se ela foi forjada por integrantes de uma quadrilha que assaltou o Planalto e insiste a todo custo em permanecer lá? Este ambiente nos remete ao primeiro mandato do ex-presidente Lula, que, ao iniciar a reforma escolheu 12 conselheiros para estudar e fazer sugestões sobre a reforma previdenciária, só que entre estes 12 estavam os maiores devedores do INSS. É brincadeira. Deu no que deu, com mensalão e tudo. Até hoje, graças ao mensalão, aposentados e pensionistas do serviço público federal pagam 11% dos seus salários, um ato infame e cruel para todos nós.

Enquanto isso, fortunas são desviadas dos cofres públicos e todos eles, segundo seus advogados, são absolutamente inocentes. Façam-me o favor. Somos trouxas.  

Nenhum comentário: